0:00
0:00

Acusado de assédio, produtor se interna em clínica: “preciso de ajuda”

  • Por Jovem Pan
  • 12/10/2017 11h56
EFEHarvey WeinsteinHarvey Weinstein, produtor denunciado por Cara Delevingne, Ashley Judd, Angelina Jolie e Gwyneth Paltrow

Depois de ter sido acusado de assédio sexual pelas estrelas Cara Delevingne, Ashley Judd, Angelina Jolie e Gwyneth Paltrow, o produtor hollywoodiano Harvey Weinstein foi filmado por alguns paparazzi na quarta-feira (11) ao sair da casa de sua filha em Los Angeles. “Estou me segurando. Tentando o meu melhor. Não estou bem. Preciso de ajuda. Todos nós cometemos erros. Espero ter uma segunda chance”, diz em um vídeo publicado pelo TMZ. De acordo com a publicação, ele, em seguida, viajou para se internar em uma clínica de reabilitação e tratar sua suposta “compulsão”.

Desde que recebeu as denúncias, Weinstein foi demitido do estúdio The Weinstein Company e abandonado pela esposa, a estilista Georgina Chapman. “Meu coração se parte por todas as mulheres que sofreram uma dor tremenda com essas ações imperdoáveis. Escolhi deixar o meu marido. Cuidar das crianças é minha prioridade e peço privacidade à mídia neste momento”, declarou ela em comunicado.

Relembre o caso

Na última semana, o jornal The New York Times publicou uma matéria denunciando Harvey por assediar diversas atrizes ao fechar acordos para filmes. Na terça (10), Angelina Jolie e Gwyneth Paltrow declararam que foram algumas das vítimas.

Paltrow contou que foi assediada aos 22 anos, durante sua contratação para o filme Emma. O assédio aconteceu em um quarto de hotel quando Harvey tentou colocar as mãos na atriz e lhe oferecer uma massagem. Ela confrontou o produtor e ele a ameaçou para que não contasse sobre o caso.

“Eu era uma criança, tinha acabado de assinar o contrato e fiquei petrificada”, falou. Gwyneth contou sobre o assédio para Brad Pitt, que era seu namorado na época, e o ator chegou a confrontar o produtor.

Jolie confirmou que também foi assediada em um quarto de hotel durante o lançamento do filme Corações Apaixonados, de 1998. “Eu tive uma experiência ruim com Weinstein na minha juventude e como resultado escolhi nunca trabalhar com ele de novo e avisar outras pessoas disso”, afirmou. “Esse comportamento contra mulheres em qualquer área e em qualquer país é inaceitável”.