Promoção em preços de ingressos para Foo Fighters revolta fãs; saiba o que pode ser feito

  • Por Fernando Ciupka/Jovem Pan
  • 06/12/2017 21h29 - Atualizado em 07/12/2017 05h50

Divulgação

Quem comprou ingresso antes para garantir a presença no show da banda norte-americana, acabou pagando mais caro

A banda Foo Fighters vai realizar shows no Brasil após pouco mais de três anos, o que é motivo de muita alegria para os fãs do grupo. Mas o que era pra ser somente felicidade virou motivo de revolta para os que adquiriram ingressos antecipadamente.

O evento, que vai ser realizado em São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná e Rio Grande do Sul, está com desconto de 50% em todas as datas e em todos os setores, menos para o dia 27 de fevereiro, que é o primeiro a ser feito, na capital paulista. Ou seja, quem comprou antes para garantir a presença no show, acabou pagando mais caro.

Em entrevista exclusiva à Jovem Pan, o secretário nacional do consumidor do Ministério da Justiça, Arthur Rollo, afirmou que o desconto prejudicou quem comprou antes e que é direito dessas pessoas pedirem um abatimento proporcional do preço.

“O que a lei diz a respeito é que não pode ter um preço diferente pra um mesmo produto, pra um mesmo serviço. Especificamente em relação aos shows, quando a gente fala em pré-venda, significa que quem está comprando antecipadamente terá vantagem em relação a quem compra depois. Esse desconto de 50% prejudicou os consumidores que adquiriram na pré-venda e no nosso entendimento eles têm a possibilidade de pedir o abatimento proporcional do preço para ter o mesmo preço do valor do ingresso. Porque a regra de mercado, no que diz respeito a ingressos, é que o preço suba com a proximidade do evento”, explicou.

“Não dá direito à devolução, mas dá direito ao abatimento proporcional do preço. Porque quem compra antes, tem o direito de comprar mais barato. Essa é a expectativa legítima criada no consumidor pela organização desse tipo de evento”, completou o secretário.

Valores com a promoção de fim de ano da Eventim (1ª imagem); valores sem a promoção de fim de ano (2ª imagem)

Em uma manifestação na página “Reclame Aqui”, um consumidor chamado Guilherme se disse lesado pela promoção nos valores, assim como diversas outras em uma rede social. “Comprei 2 ingressos para o show do Foo Fighters em Curitiba/PR logo após a abertura das vendas e paguei o valor da inteira (R$ 440,00 cada ingresso). Ontem recebi um email da Eventim oferecendo os mesmos ingressos com um desconto de 50% (cinquenta por cento). Fui totalmente surpreendido com a redução do preço, ainda que a título de promoção, e acho um total desrespeito comigo”, escreveu.

Como resposta, a Eventim se disse “responsável somente pela gestão na venda e emissão dos ingressos”. E que “as regras de parcelamento e precificação são determinadas pela produção do evento”, assim como a promoção. De acordo com Rollo, a justificativa da empresa não é válida.

“A responsabilidade é solidária da empresa que vende ingresso. Essa venda de ingresso não é gratuita. Ela é solidária e não se isenta da responsabilidade. É ela que lida com o consumidor. Então, mesmo que ela reveja o prejuízo com a produtora do evento, ela é obrigada a se responsabilizar com o consumidor”, afirmou o secretário.

A estudante Gabriela Botafogo disse que ficou extremamente irritada, acredita que a redução veio por causa da fraca venda de ingressos e prometeu acionar o Procon.

“Com certeza os ingressos encalharam e a Eventim quer vendê-los, claro, e estão com essa promoção para todos os setores. E agora pode parcelar em até quatro vezes. Porém, quem comprou antes não teve a mesma oportunidade e pagou bem mais caro. Não é todo mundo que tem grana pra dar assim num ingresso. Pretendo entrar em contato com o Procon pra saber se há algo que possa ser feito”, afirmou.

Segundo Arthur Rollo, caso a empresa se recuse a conceder tal abatimento, o Procon é o caminho para o consumidor que se sentiu prejudicado.

“Vai ao Procon, reclama. O Procon tem também a possibilidade do atendimento digital do consumidor para essas compras realizadas através da internet. O que a gente recomenda é que peça o abatimento proporcional do preço e, se não conseguir o abatimento proporcional do preço, que procure o Procon”, aconselhou.

Posicionamento da Eventim

A reportagem da Jovem Pan tentou contato com a empresa responsável pela distribuição de ingressos para o show, mas não obteve resposta até a publicação dessa matéria.