0:00
0:00

“A sensação de não querer casar passa rápido”, comenta Monica Martelli

  • Por Jovem Pan
  • 27/02/2016 14h39

Com público de mais de 2 milhões de pessoasDivulgaçãoMonica Martelli

Sucesso de público com mais de dois milhões de expectadores, a comédia “Os Homens São de Marte e É Pra Lá que Eu Vou” reestreia em São Paulo no próximo dia 4 de março (sexta-feira). Monica Martelli, idealizadora do projeto, contou para Cris Santos, repórter da Jovem Pan, que a peça se tornou um divisor de águas em sua carreira. “A minha vida pode ser contada antes de “Os Homens São de Marte” e depois”, disse.

“Eu estreei essa peça eu um teatro pequenininho no Rio de Janeiro e, na segunda semana, já estava lotando e fazendo duas sessões por dias, com as críticas maravilhosas, fui indicada a vários prêmios. Fui para um teatro grande e estou aqui, há quase dez anos em cartaz”, lembra Mônica.

Ela ainda contou que a peça circulou pelo Brasil inteiro, além de ter ficado em cartaz por dois meses em Lisboa. “Depois virou filme, série no GNT e já estamos indo para a terceira temporada”, destaca Mônica Martelli, feliz por estar de volta a São Paulo.

“A peça tem identificação imediata. Conta a história da Fernanda, uma mulher de 40 anos que está louca para encontrar um amor. Ela nunca casou, não tem filhos e bate aquele desespero. Porque estar solteira aos 30 é diferente de estar solteira aos 40 e aos 20. O desespero é muito maior e a ansiedade é muito maior. E a Fernanda se envolve com vários tipos de homem, cada um ela acha que é o amor da minha vida”, explica.

“O amor não tem jeito, a gente sempre sofre quando está amando. E se você não se envolver por inteiro você não vai saber se aquilo pode dar certo ou não”, reforçou a atriz. E a identificação não é só feminina: “a peça não fala mal dos homens e eles veem tudo o que nós, mulheres, fazemos pelo amor”, conta.

“O diferencial da Fernanda é que ela é uma mulher independente. Ela não quer um homem que ponha presunto e queijo dentro de casa, que banque ela. Ela quer um parceiro, um companheiro, e ela fala abertamente: ‘quero sim um amor’”, explicita Mônica Martelli. “É aí que está a questão”.

“Essa sensação de não querer casar e não querer ter filhos passa rápido”, conta. “No fundo eu até acredito que tem mulheres que não queiram. Mas o desejo de encontrar o amor continua igual desde que o mundo é mundo. O que mudou foram as formas de se relacionar”.

Serviço – “Os Homens São de Marte e É Pra Lá que Eu Vou” reestreia dia 4 de março para uma curta temporada até o dia 27. Sessões às sextas e sábados às 21h, aos domingos às 18h, no Teatro Porto Seguro (Alameda Barão de Piracicaba, 740).