0:00
0:00

Manifestantes seminuas invadem show de Woody Allen

  • Por Jovem Pan
  • 12/07/2017 17h04
"A violência contra as mulheres não será ignorada", declarou o grupo Femen após o protesto
Reprodução/Facebook

Por essa Woody Allen não esperava. Na noite de terça-feira (11), enquanto o cineasta e clarinetista se apresentava em Hamburgo, na Alemanha, com a New Orleans Ensemble, sua banda de jazz, duas ativistas do Femen invadiram o palco seminuas para protestar contra a cultura do estupro. Com escritos no corpo, elas fizeram referência a Dylan Farrow, filha adotiva do astro que anos atrás o denunciou por abuso sexual.

“Isso é para lembrar o mundo e os fãs de jazz sentados na audiência que ele não é apenas um neurótico e encantador diretor, músico e ator, mas um homem que também parece gostar de enfiar seus dedos em suas filhas. A história do cinema, seu status cultural e social é inviolável. Mesmo se envolver uma garota que ainda sofre. O abuso deixa para trás corpos feridos e almas feridas até quando são barrados, ignorados ou esquecidos pelo público”, explicou o grupo ao publicar um vídeo da invasão em suas páginas nas redes sociais.

Na gravação de poucos segundos, a plateia da Filarmônica de Elba – mesmo local em que os líderes do G20 estiveram no fim de semana passado – vaia as manifestantes enquanto Allen parece não entender as palavras de ordem que elas gritam em alemão. Os seguranças, então, retiram-nas do local e o show segue normalmente.

Dylan Farrow, hoje com 28 anos, acusou o pai adotivo de tê-la abusado sexualmente quando era criança. A denúncia veio depois que o diretor se separou da mulher, Mia Farrow, para viver com outra filha adotiva da atriz, Soon-Yi Previn, que na época tinha 21 anos.