0:00
0:00

Dorival prevê Santos sofrendo com altitude, mas quer “grande resultado”

  • Por Estadão Conteúdo
  • 16/05/2017 17h26
Ivan Storti / Santos FCIvan Storti / Santos FCDorival Júnior não quer que o Santos priorize competições nesta temporada

O técnico Dorival Júnior classificou a altitude de La Paz, cidade situada a 3.600 metros acima do nível do mar, como um dos maiores problemas que o Santos precisará superar na partida desta quarta-feira, às 19h30 (horário de Brasília), diante do The Strongest, pelo Grupo 2 da Copa Libertadores. Para superar essa dificuldade, a delegação se hospedou em Santa Cruz de La Sierra nesta segunda e só seguirá para o local do jogo na quarta, horas antes do confronto.

“Nós teremos apenas o aquecimento em si (antes do jogo) para que possamos minimizar essa dificuldade (altitude) que fatalmente vai acontecer dentro da partida. Por isso, era importante chegar, como chegamos, nesse momento (na liderança do grupo), não dependendo única e exclusivamente desse resultado de La Paz, que será um complicador para a gente. Mas espero que o Santos faça uma grande apresentação e que consigamos na base da superação o alcance de um grande resultado”, analisou o técnico santista, em entrevista desta terça distribuída pela assessoria do Santos.

Médicos, fisiologistas e os responsáveis pela preparação de goleiros do clube se reuniram para discutir como preparar melhor o time para o duelo, especialmente os goleiros, devido à diferença de velocidade da bola em grandes altitudes.

Dorival Júnior – citando uma experiência que teve em La Paz sob o comando do Inter, em 2010 -, destaca, além desse fator (a velocidade da bola), algumas alterações no organismo dos atletas que afetam o desempenho de uma equipe de futebol quando atua nesse tipo de situação.

“Compromete tudo. Toda a mecânica do atleta. Desde a maneira de correr, a respiração. Você não pode a todo momento fazer movimento de velocidade, senão dificilmente vai alcançar uma recuperação. A velocidade da bola muda completamente e aí é uma dificuldade muito maior para quem recebe o passe e principalmente na batida em gol. Às vezes, você não tem a distância correta, a colocação e o encaixe do corpo. O último aspecto é a bola chegando nas mãos do goleiro. Isso é um dificultador para quem não está acostumado”, destacou Dorival.

O Santos lidera o Grupo 2 da competição continental, com oito pontos, e precisa apenas do empate para garantir a classificação com uma rodada de antecedência à próxima fase do torneio. O The Strongest tem sete pontos, na vice-liderança. O Santa Fe, com quatro pontos, é o terceiro, mas ainda sonha com a vaga na fase de mata-mata da Libertadores.

Para tanto, a equipe colombiana precisa vencer o Sporting Cristal, lanterna da chave, com dois pontos, também nesta terça, às 19h30 (hora de Brasília), no Peru, e ainda torcer por um tropeço do The Strongest diante dos brasileiros.