Foi uma quarta-feira para esquecer. Fred saiu machucado, o time absolutamente nada criou e o Atlético Mineiro foi derrotado pelo Libertad por 1 a 0, no estádio Nicolás Leoz, em Assunção, no Paraguai, pela terceira rodada do Grupo 6 da Copa Libertadores.

O resultado ainda manteve o Atlético Mineiro na liderança do Grupo 6 com quatro pontos, os mesmos do Libertad. Mas, nesta quinta-feira, na Argentina, o Godoy Cruz recebe o Sport Boys, da Bolívia, e pode chegar a sete se vencer. Já o time boliviano soma apenas um.

Na próxima quarta-feira, por sua vez, o Atlético Mineiro encara novamente o Libertad, agora em Belo Horizonte, enquanto que o Sport Boys recebe o Godoy Cruz no dia seguinte. No domingo, porém, o time brasileiro encara a URT, no estádio Independência, pelo jogo da volta da semifinal do Campeonato Mineiro - a ida foi 1 a 1.

E, em relação ao time que empatou com a URT, no último domingo, o técnico Roger Machado fez duas alterações: Fred entrou no lugar de Rafael Moura, o que já era esperado, e Danilo ganhou a vaga de Cazares.

Mas, além da pressão já corriqueira por jogar fora de casa na Libertadores, o Atlético Mineiro teve nesta quarta-feira outro desafio: a forte chuva e o consequente gramado encharcado. Assim, a equipe brasileira não conseguia sequer trocar passes no início do jogo. E via o time paraguaio dominar o duelo, embora sem chegar com grande perigo.

Os minutos avançavam e o time de Roger Machado não mudava a postura. Fred, mesmo brilhando neste início de temporada, ao marcar 16 gols nas 13 primeiras partidas, parecia estar novamente na Copa do Mundo de 2014, quando a seleção brasileira pouco criava e ele figurava como espectador. Robinho tampouco aparecia. E o meio de campo, esparso, sem qualquer aproximação, facilitava o domínio adversário.

A pressão, assim, embora um tanto desorganizada, resultou em gol aos 26 minutos: Néstor Giménez recebeu bom lançamento na esquerda e tocou para Ángel Cardozo Lucena chutar rasteiro. Giovanni ainda tentou segurar, mas a bola passou por entre suas mãos.

O gol animou ainda mais o Libertad. Enquanto o Atlético Mineiro seguia sem compactação, o time paraguaio perdia chances sucessivas. Aos 31 minutos, Benítez bateu forte - desta vez, Giovanni segurou. E, cinco minutos depois, invertendo a jogada do primeiro gol, Lucena passou e Giménez recebeu sozinho, na esquerda, mas chutou por cima.

Era preciso mudar totalmente a postura para a etapa final. E, assim, Rafael Moura entrou no lugar de Danilo após o intervalo. A substituição até mudou o panorama: o time brasileiro, enfim, conseguia trocar passes no campo de ataque. Mas chegava sem perigo e não assustava o gol de Rodrigo Muñoz.

E a primeira boa chance veio com o próprio Libertad, em falta cobrada por Salcedo, que saiu rente à trave. O cenário ruim piorou ainda mais no minuto seguinte, aos 18 minutos, quando Fred sentiu a coxa e precisou ser substituído por Maicosuel, recuperado de contusão e que não atuava há mais de um mês.

O jogador até buscou acelerar o ritmo atleticano, mas estava visivelmente sem ritmo. O Libertad, por outro lado, seguia perdendo chances - aos 33 minutos, Benítez recebeu sozinho e chutou rasteiro, muito próximo ao gol. Ainda assim, o time paraguaio segurou o resultado com tranquilidade e encerrou a invencibilidade do Atlético Mineiro na Libertadores.