Lenda do futebol italiano, o goleiro Gianluigi Buffon disse nesta segunda-feira, em entrevista ao site da Uefa, que ganhar a Liga dos Campeões com a Juventus, o único troféu que falta em sua carreira, seria viver a maior alegria de sua história no esporte ao lado da conquista da Copa do Mundo de 2006 com a seleção de seu país na Alemanha.

"Significaria muito para mim. Seria a maior alegria de minha carreira, junto com a Copa de 2006, porque é quase uma recompensa - o fim de uma estrada muito difícil, pavimentada com bravura, obstinação e trabalho árduo", afirmou o veterano goleiro.

Com a vantagem conseguida pela Velha Senhora após a vitória sobre o Monaco por 2 a 0 na partida de ida das semifinais da Champions, Buffon considera que a equipe está um passo mais perto de voltar à decisão do torneio. No entanto, disse que o duelo de volta que será disputado amanhã em Turim não será fácil.

"O Monaco joga um futebol cheio de energia, muito positivo. E são uma equipe tão física como brilhante", avaliou o goleiro.

Buffon também falou sobre seus 39 anos e a imagem que marcou a partida de ida, quando deu um leve toque na cabeça do jovem francês Kylian Mbappé, uma das principais revelações do Monaco, após fazer várias defesas que o impediram de marcar na partida.

"Quando Mbappé nasceu (dezembro de 1998), eu já tinha jogado a Copa do Mundo da França. Isso é a beleza de ter uma carreira comprida", afirmou.

"Quando comecei, jogava com jogadores que tinham nascido no fim dos anos 50 ou 60. Agora, acabo as partidas com jovens dos anos 2000. É bastante tempo, mas estou bem em saber que agora estou jogando Neymar, Messi e Cristiano Ronaldo", completou.

Sobre as possibilidades de conquistar a Champions, o goleiro italiano encerrou a entrevista afirmando que o título seria uma recompensa. "Sempre quis vencê-la e sempre estive convencido de que posso consegui-la com minha equipe", destacou.