A escalada continua para um e a estagnação perpetua para o outro. O movimentado e emocionante clássico desta quarta-feira (14) na Vila Belmiro, em Santos, pela sétima rodada do Campeonato Brasileiro, acabou com o placar de 1 a 0 para o Santos sobre o Palmeiras. O time santista chegou à terceira vitória consecutiva e reage na tabela de classificação. Já a equipe derrotada continua sem somar pontos fora de casa e se mantém em uma incômoda gangorra.

O clássico na Vila Belmiro foi disputado sob ritmo intenso. A noite com temperatura mais agradável em comparação aos últimos dias deixou o estádio mais cheio. A torcida ajudou a elevar o clima, ao gritar a cada dividida e aumentar o tom da rivalidade acirrada pelas decisões entre os clubes nos últimos anos.

As duas equipes vinham de bons resultados recentes e confiavam no poder de uma vitória no clássico para se consolidarem. Essa ambição os treinadores levaram aos times, que finalizaram bastante. Os goleiros se destacaram nas defesas, principalmente Vanderlei.

O estreante técnico Levir Culpi contou com o retorno do meia Lucas Lima, fora há quase um mês por lesão, e formou uma equipe muito dinâmica e de pressão ao adversário. Aos três minutos de jogo, Fernando Prass evitou o gol de Bruno Henrique, enquanto que o Palmeiras ainda procurava entender o novo esquema 4-1-4-1 com Zé Roberto no meio e o zagueiro Juninho posicionado na lateral esquerda.

Somente quando Róger Guedes acertou um chute no travessão, aos 23 minutos, o Palmeiras conseguiu equilibrar o jogo. Até então, o time não conseguia sair da defesa e passava sufoco para acompanhar a correria do Santos. Bruno Henrique e Copete pressionavam pelas laterais para abrir espaço para Lucas Lima criar as jogadas. A resposta palmeirense se tornou à altura com um jogo mais cadenciado em busca da melhor opção.

Pelo nível de entrega das equipes, o empate sem gols era injusto. Então, o Santos conseguiu acabar com isso no começo do segundo tempo, novamente com velocidade. Jean Mota foi à linha de fundo e Kayke concluiu a gol aos 5 minutos. Os palmeirenses reclamaram de falta em Edu Dracena no lance.

A desvantagem forçou o Palmeiras a atacar mais. O técnico Cuca avançou o time e encurralou o Santos. Fosse em cruzamentos, finalizações de perto ou chutes de longe, nada passava por Vanderlei. Apesar de ser goleiro, foi ele o mais decisivo para o time da casa.