0:00
0:00

Assista ao vivo

Santos é dominado pela Chapecoense, perde por 2 a 0 e dá adeus à luta pelo título

  • Por Jovem Pan com Estadão Conteúdo
  • 13/11/2017 22h00

MáRCIO CUNHA/ESTADÃO CONTEÚDO

De pênalti, Wellington Paulista abre o placar para a Chapecoense na partida contra o Santos e comemora com seus companheiros

O Santos teve uma atuação melancólica nesta segunda-feira (13). Dominada do início ao fim e com seus principais jogadores, como Lucas Lima, desaparecidos em campo, a equipe de Elano foi facilmente derrotada pela Chapecoense por 2 a 0, na Arena Condá, em Chapecó, pela 34ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O resultado, aliás, tirou matematicamente o Santos da briga pelo título do Brasileirão. Está em quarto com 56 pontos, 12 atrás do Corinthians. Mesmo que uma improvável combinação o fizesse alcançar o líder, faltando quatro rodadas, ainda ficaria atrás no número de vitórias, primeiro critério de desempate. Já a Chapecoense chegou aos 44 pontos, subiu para 13º e ficou bem próxima de se garantir na primeira divisão. Foi, ainda, a sua sexta partida sem derrota.

As duas equipes voltam a campo na quinta-feira para enfrentar times baianos. Enquanto a Chapecoense recebe o Vitória novamente na Arena Condá, às 20 horas, o Santos encara o Bahia em Salvador, às 21 horas.

Depois de decepcionar na última rodada, perder em casa para o Vasco e praticamente se despedir da briga pelo título brasileiro, o Santos tinha a missão de se reabilitar nesta segunda e, ao menos, reassumir a vice-liderança. Mas o futebol apresentado ficou bem aquém dessas pretensões.

Com a lesão de David Braz e a suspensão de Bruno Henrique, o técnico Elano apostou em Luiz Felipe na zaga e Matheus Jesus no meio. Victor Ferraz, assim, atuou na lateral esquerda, enquanto Lucas Lima jogou um pouco mais aberto. E nada parece ter saído como o esperado.

Nas laterais, Daniel Guedes e Victor Ferraz pouco avançavam. No meio, Alison, Renato e Matheus Jesus se concentravam apenas na contenção e Lucas Lima pouco aparecia. A bola, assim, praticamente não chegava nos isolados Arthur Gomes e Ricardo Oliveira. E, em uma das primeiras vezes em que foi exigida, a zaga errou.

A partida se iniciava lenta, truncada no meio, sem chances criadas, quando Luiz Antonio lançou e Lucas Veríssimo cortou com a mão dentro da área. Pênalti, que Wellington Paulista bateu rasteiro no canto e converteu.

O trio de volantes no Santos se tornou então ainda mais ineficaz Mesmo em desvantagem a equipe não tinha qualidade para trocar passes. Via a Chapecoense permanecer mais ofensiva e só chegava em lances fortuitos, sem oferecer perigo a Jandrei.

Aos 26, após dominar na intermediária, Arthur Gomes arrancou e finalizou de muito longe, com força, por cima. Já Victor Ferraz invadiu a área ao receber bom passe de Ricardo Oliveira aos 32, mas foi travado antes que chutasse. Foi tudo o que o Santos criou no primeiro tempo.

Nada, porém, mudou na etapa final. Elano voltou com a mesma escalação e a Chapecoense manteve o tranquilo domínio do jogo. Aos oito, então, Jean Mota entrou no lugar de um desinteressado Lucas Lima. Mas foi o adversário quem quase marcou aos 12, quando Arthur recebeu na ponta e bateu cruzado, forte e para fora.

E, em sua segunda chance, o atacante não desperdiçaria. Dez minutos depois, período em que o Santos seguiu inoperante, Wellington Paulista ganhou no corpo, avançou pela direita e cruzou. Nas costas da zaga, sem qualquer marcação, Arthur só empurrou e praticamente definiu o triunfo.

Mais pela acomodação da Chapecoense, o Santos até melhorou depois de sofrer o segundo gol. Ricardo Oliveira acertou cabeçada na trave, Victor Ferraz finalizou com perigo e Lucas Veríssimo também teve chance de se redimir nos minutos finais. Mas o gol não saiu e a equipe se despediu melancolicamente da briga pelo título.

Confira a narração dos gols da Chapecoense: