A um ano de comandar a Seleção em uma Copa do Muno, Tite falou grosso. Em participação exclusiva no especial O Brasil a caminho da Rússia, o técnico foi questionado sobre a situação política do País e não se omitiu. Tite cobrou "punição" aos corruptos e disse que estará atento a qualquer tentativa de correlação entre política e esporte  2018 é ano de Copa na Rússia e eleições presidenciais no Brasil. 

"Não quero que façam comparações políticas com o esporte, porque também não vou comparar o esporte com a política. Não coloquem o esporte, momentos que estão bons ou de insucesso, para fazer comparativos com posicionamentos políticos. Isso eu não quero. Com isso eu vou estar atento!", afirmou o treinador, com firmeza. 

Tite, no entanto, fez questão de dar a sua opinião sobre o momento político do Brasil. Para ele, a situação pede prioridade a dois aspectos: educação e punição  a Operação Lava-Jato expôs o maior esquema de corrupção da história do País. 

"Nenhum de nós é alienado... Temos uma noção exata do País como um todo. Vou falar eu, individualmente, como ser-humano: educação e punição são fundamentais para que tenhamos um Brasil melhor. Isso é o que procuramos. Queremos punição a quem é corrupto e princípios melhores para cada um de s", finalizou.