0:00
0:00

Sem vaidade! Como Cássio usou pênalti no Sul para reforçar união do líder Corinthians 

  • Por Jovem Pan
  • 04/07/2017 10h00 - Atualizado em 13/07/2017 13h06
Cássio pegou pênalti de Luan na partida contra o Grêmio, em Porto Alegre. Lance rendeu ao goleiro o prêmio de melhor jogador em campo

O pênalti defendido por Cássio no fim do jogo contra o Grêmio, semana passada, em Porto Alegre, não serviu apenas para garantir a vitória mais importante do Corinthians no Campeonato Brasileiro. O lance rendeu o prêmio de melhor jogador em campo ao goleiro de 30 anos, e também proporcionou uma das cenas mais emblemáticas da até aqui quase perfeita campanha alvinegra na competição nacional.

Em entrevista exclusiva a André Ranieri, para a Rádio Jovem Pan, o preparador físico do Corinthians, Walmir Cruz, contou que o capitão alvinegro usou o pênalti defendido em Porto Alegre para reforçar a união do líder do Brasileirão. Tudo aconteceu minutos depois da partida contra o Grêmio, ainda dentro dos vestiários da Arena, na capital gaúcha. A cena, segundo Cruz, foi marcante.

“O Cássio pegou o pênalti do Luan e ganhou o troféu de melhor jogador em campo. Aí, quando nós nos reunimos dentro do vestiário para agradecer, ele chegou, colocou o troféu no meio da roda e falou para todo mundo: ‘ó, isso aqui não é meu, não! É dividido com todos vocês, porque dá orgulho de ver todo mundo correndo, voltando, dando carrinho, chutão…’. É esse o espírito que o Corinthians tem. Não é aquela coisa de que a vaidade e o orgulho são maiores que o resto”.

Luiz Munhoz/Recorte do Olhar/Estadão Conteúdo

Os méritos por essa harmonia corintiana, de acordo com o preparador, são de todos os funcionários do clube – do presidente ao roupeiro. Hoje, segundo Walmir Cruz, o Corinthians tem um ambiente de trabalho agradável e que, não à toa, vem sendo premiado com a liderança absoluta do Campeonato Brasileiro – após 11 rodadas, o time alvinegro ocupa a primeira colocação da Série A com sete pontos de vantagem sobre o segundo colocado, Grêmio.

“Hoje, nós temos o Corinthians como maior que tudo. E tem de ser assim. Nós somos apenas um complemento de tudo isso”, pregou o preparador. “O nosso ambiente de trabalho é muito bom. A comissão técnica, apesar de jovem, é muito experiente nessa questão de gestão de pessoas. A gente trabalha integrado, e o convívio é salutar. Saímos para almoçar, jantar… Somos, de fato, amigos”.

Outro exemplo da união corintiana aconteceu no mês retrasado, no clássico contra o São Paulo, pela semifinal do Campeonato Paulista. A celebração do gol de Jô, em Itaquera, chamou a atenção de Walmir Cruz. “O time inteiro saiu correndo do banco de reservas para abraçar o Jô lá na bandeirinha de escanteio… É uma coisa difícil de acontecer no futebol.”

É dessa forma, unido e trabalhador, que o Corinthians vai tentar se manter na liderança do Campeonato Brasileiro. Invicto após 11 rodadas, o time alvinegro, que vem de vitória magra sobre o Botafogo, em Itaquera, volta a campo apenas no próximo sábado, às 19h (de Brasília). A adversária será a Ponte Preta, também dentro de casa.