Em um dos mais tradicionais circuitos da Fórmula 1, Barcelona recebe neste fim de semana o GP da Espanha, quinta prova da temporada de 2017. Um dos principais ingredientes da prova é a briga entre Vettel e Hamilton, separados por apenas 13 pontos na luta pela liderança.

Outro personagem para ficar de olho neste domingo é Fernando Alonso. Insatisfeito com o desempenho da sua McLaren, o espanhol competirá em casa e quer, no mínimo, não precisar abandonar a prova antes de completar as 66 voltas.

Confira alguns motivos para acordar cedo neste Dia das Mães para acompanhar o Grande Prêmio da Espanha, com largada prevista para as 9h (de Brasília):

Vettel x Hamilton

Com toda a certeza é a disputa mais interessante deste domingo. Vettel já provou que a Ferrari veio para brigar por título e venceu duas corridas nesta temporada. O alemão tem apenas 13 pontos de vantagem sobre Hamilton, que segue obstinado a recuperar o título que perdeu no ano passado para Rosberg. Ambos já subiram ao lugar mais alto do pódio em Barcelona. Hamilton venceu em 2014, enquanto Vettel levou a melhor em 2011, quando estava na Red Bull.

Para bagunçar de vez

No último grande prêmio, na Rússia, Bottas provou que não foi para a Mercedes para ser um mero coadjuvante. Venceu com autoridade e chega na Espanha com chances de roubar o segundo lugar do seu companheiro Lewis Hamilton, que sequer subiu ao pódio na etapa anterior. Os dois pilotos da Mercedes estão separados por apenas dez pontos, ambos com uma vitória cada. Já para Vettel a diferença é de 23 pontos.

Bicampeão na Espanha? Difícil

Se tem uma estatística que Bottas pode depositar suas esperanças neste GP é a de rotatividade de vencedores na prova espanhola. O último piloto que venceu de forma consecutiva foi Michael Schumacher, que liderou todas as edições da etapa entre 2001 e 2004. Desde então ninguém venceu a prova duas vezes seguidas, e poucos repetiram a dose no período (apenas Kimi Raikkonen em 2005 e 2008 e Fernando Alonso, em 2006 e 2013).

Campeões improváveis

A variada lista de vencedores nos últimos 13 anos da F1 tem desde alguns campeões, como Alonso, Vettel e Hamilton, e outros bem curiosos. É o caso de Pastor Maldonado, que venceu sua única prova na carreira em 2012, e Max Verstappen. O jovem holandês fez sua estreia pela Red Bull no ano passado e na Espanha saiu com o primeiro lugar, se tornando o mais jovem piloto a vencer uma prova da Fórmula 1, com apenas 18 anos. Será que essa é a chance de Bottas levar mais uma ou de Max acabar com o tabu dos bicampeões?

Alonso x Honda

Alonso tem um objetivo teoricamente simples: terminar as 66 voltas diante dos seus conterrâneos. Mas com o desempenho exibido pelos motores Honda nesta temporada, essa pode ser uma missão quase impossível. O espanhol ainda não completou nenhuma prova em 2017 - seu máximo foi ficar a três voltas do fim no Bahrein. Vale lembrar que deixou em aberto sua continuidade na McLaren em 2018 e disputará as 500 milhas de Indianápolis no final deste mês.

Atualizações

Com quatro provas já disputadas e com os engenheiros já conhecendo os carros, o GP da Espanha costuma ser uma etapa de atualizações nos veículos. É o caso da Mercedes, que promoveu mudanças nos motores e já exibiu um ótimo desempenho nos treinos. A Red Bull também conta com atualizações e prometeu um monoposto “mais competitivo”. Muita coisa pode mudar no campeonato a partir deste GP, vale conferir.