CAS decidirá nesta sexta sobre 45 russos que tentam competir nos Jogos de Inverno

  • Por Estadão Conteúdo
  • 08/02/2018 10h43
Reprodução / TwitterHexacampeão da patinação de velocidade, Viktor Ahn é um dos atletas russos que aguardam decisão do CAS para competir em PyeongChang

A Corte Arbitral do Esporte (CAS, na sigla em inglês) anunciou que vai se pronunciar nesta sexta-feira pela manhã sobre as apelações de última hora que 45 esportistas russos apresentaram com o objetivo de poderem disputar os Jogos Olímpicos de Inverno de PyeongChang, na Coreia do Sul, depois de terem sido punidos por envolvimento com doping.

O máximo tribunal esportivo mundial informou que anunciará a decisão final sobre o caso às 11 horas (pelo horário local), o que significa dizer que a veredicto será conhecido no início da madrugada desta sexta (pelo horário de Brasília). Isso ocorrerá nove horas antes da cerimônia de abertura da grande competição.

As apelações de outros seis atletas russos foram recusadas pela CAS, que alegou não possuir “jurisdição” para julgar seus respectivos casos. Neste grupo estavam os campeões mundiais de patinação de velocidade, Denis Yuskov e Pavel Kulizhnikov, além de representantes do biatlo e do salto de esqui.

O Comitê Olímpico Internacional (COI) recusou a possibilidade de fornecer convites a estes seis esportistas. Diferentemente do outro grupo de 45 competidores russos, estes cumpriram punições de maior gravidade por doping e a entidade já havia avisado que não convidaria atletas com suspensão anteriores desta magnitude.

As primeiras competições dos Jogos de Inverno de 2018, entre elas uma disputa de curling entre Estados e Rússia, começaram nesta quinta-feira (8), enquanto esportistas e técnicos russos apresentavam a juízes da CAS argumentos para defender suas participações no evento durante uma audiência realizada em um luxuoso balneário que fica nas montanhas próximas a PyeongChang.

“Temos a esperança de que o painel (de juízes da CAS) escute nossos argumentos e respeite os direitos dos esportistas”, afirmou Philippe Baertsch, um dos advogados dos 45 russos que ainda esperam pela decisão das autoridades para saber se poderão competir na Coreia do Sul.

Entre os que estiveram presentes na audiência estavam Elena Nikitina, medalha de bronze na prova do skeleton nos Jogos de Sochi, em 2014, e Tatiana Ivanova, prata no luge na mesma competição realizada na Rússia. Ao término da sessão, Nikitina disse que os três juízes da CAS, sendo um canadense, um suíço e um australiano, “foram agradáveis e nos escutaram”.

“Não podemos comentar o que ocorreu no painel. Só direi que viemos aqui para defender nosso bom nome e fomos escutados pelo painel da CAS”, enfatizou o treinador de luge da equipe russa, Albert Demchenko, que também esteve presente na sala de audiência.

O COI já convidou 169 russos para os Jogos de PyeongChang para que participem da competição sob bandeira neutra, mas agora pode ser forçado a admitir atletas que considera trapaceiros caso a CAS anuncie uma sentença favorável aos atletas da Rússia ao julgar suas apelações. O comitê puniu no ano passado 43 russos por doping em Sochi após concluir que fizeram parte de um esquema de doping. A CAS ainda tem pendente outras três apelações, todas relacionadas com ex-atletas do biatlo.

A máxima entidade olímpica também enfatizou que o processo que adotou para fornecer ou não convites a atletas russos se baseou em evidências obtidas recentemente por meio de um laboratório de Moscou que detalhou práticas de doping em anos anteriores.

Entre os esportistas cuja participação nesta edição dos Jogos de Inverno depende da decisão da CAS estão Viktor Ahn, que é dono de seis ouros olímpicos na patinação de velocidade, e Alexander Legkov, que subiu ao topo do pódio em Sochi-2014 ao triunfar na prova do esqui cross country.