FIA investiga pistolas usadas por equipes da F-1 em trocas de pneus

  • Por EFE
  • 11/04/2018 16h49
EFECarro de Raikkonen foi liberado antes da hora

A Federação Internacional de Automobilismo (FIA) anunciou nesta quarta-feira que abrirá uma investigação sobre as pistolas utilizadas pelas equipes para soltar e ajustar as porcas durante as trocas de pneus, após uma série de incidentes nas duas primeiras corrida do Mundial de Fórmula 1 deste ano.

Contando os Grandes Prêmios da Austrália e do Bahrein, houve pelo menos três problemas. O diretor de corrida, Charlie Whiting, afirma no site da categoria que os incidentes “parecem cada vez menos uma coincidência”.

A Ferrari recebeu uma multa de 50 mil euros por dar sinal verde ao carro do finlandês Kimi Raikkonen de forma insegura após uma parada nos boxes durante o Grande Prêmio do Bahrein, no último domingo. O campeão mundial de 2007 acabou atropelando o mecânico Francesco Cigarini, que precisou passar por cirurgia por ter fraturado a tíbia e a fíbula.

Foi a terceira vez nas últimas quatro temporadas na qual Raikkonen abandona uma prova por um retorno indevido à pista depois de um pit stop. Além disso, ainda no circuito de Sakhir, o finlandês não pôde participar de parte do segundo treino livre por ter ficado com uma roda solta.

Em Melbourne, há três semanas, quem enfrentou problemas foi a Haas. Seus dois pilotos, o dinamarquês Kevin Magnussen e o francês Romain Grosjean, deixaram o GP da Austrália, desperdiçando a chance de obter 22 pontos, já que eles vinham na quarta e na quinta colocações, respectivamente.

“Cada vez parece menos uma coincidência, mas as duas situações em Melbourne foram claramente um erro do operador de uma pistola de rodas”, diz Whiting, que afirma que a FIA revisará as pistolas em uma tentativa de averiguar o que houve e como evitar novas situações de risco.