0:00
0:00

Após levar calote de clube, jogador brasileiro pode ser preso na Jordânia

  • Por Jovem Pan
  • 16/07/2016 12h15
DivulgaçãoDivulgaçãoApós levar calote

Kleyr Vieira

O mundo do futebol nem sempre é o sonho que a maioria imagina. O brasileiro Kleyr Vieira dos Santos é um exemplo de que o sonho pode acabar virando pesadelo. O jogador de 35 anos corre risco de ser preso na Jordânia, país por onde atuou na última temporada com a camisa do Al Faisaly, maior clube do país. Em entrevista à Jovem Pan neste sábado (16), o atleta revelou que está sem receber e que o time não paga seu aluguel há sete meses, o que pode acabar o colocando atrás das grades no próximo domingo, quando a polícia cumprirá um mandado de busca e apreensão.

Hospedado na residência de um amigo do embaixador brasileiro na Jordânia, Kleyr foi colocado na justiça pelo dono da casa onde morava, após os cartolas do Al Faisaly deixarem de pagar o aluguel e não repassarem o dinheiro que lhe deviam. “Não posso colocar os pés para fora de casa, senão posso ser preso por causa da irresponsabilidade do clube”, disse emocionado.

Sem contrato desde 25 de maio deste ano, o veterano precisou entrar na justiça desportiva do país para reaver os seus direitos. O julgamento acontece no próximo dia 20, mas o grande problema para Kleyr foi o pedido de busca e apreensão feito pelo dono de sua antiga casa, que quer garantir que o brasileiro não tente fugir da Jordânia sem quitar a dívida.

“Tive que entrar na justiça desportiva e a Federação de Futebol da Jordânia disse que é seguro que irei receber. Dia 20 vão julgar o meu caso e dia 21 ou 22 vou receber meu xeque e ir embora. Mas o dono (do imóvel) teve que esperar 7 meses, a única garantia para receber o dinheiro foi me colocando na justiça para eu não sair daqui sem pagar. Não posso fazer nada, nem com passaporte eu estou e amanhã estou indo dormir na casa do embaixador para não ser preso”, revelou.

Com passagens por Portuguesa, Goiás, Santa Cruz e outros clubes no Brasil, além de aventuras no futebol alternativo da Romênia, Lituânia e Polônia, o acreano afirmou que chegou a entrar em contato com o senador Romário e que recebeu garantias de que o político irá viajar para a Jordânia caso o atacante seja detido. “Eu já até me contatei com o Romário e eles falaram que se eu for preso, eles vão vir até aqui para me defender”, ressaltou.

Kleyr acredita que sofreu preconceito dos dirigentes de Al Faisaly por conta de sua passagem pelo futebol israelense em 2008, quando vestiu a camisa do Hapoel Kfar Saba. Os dirigentes do time se desculparam, mas falaram que ele seria preso.
“O dono (do Al Faisaly) pediu desculpas, mas disse que serei detido. Ele disse que vou para a cela ficar só uma noite, mas o que pode acontecer? Eu estou sendo descriminado porque joguei em Israel. Já recebi até ameaça de dirigente, que disse para eu ir embora porque aqui não é meu país. Eu disse que era só ele dar meu dinheiro e meu passaporte”, comentou indignado.

Prestes a completar 36 anos de idade e caminhando para a reta final da carreira, Kleyr não vê mais forças para se manter ativo no esporte que deu a oportunidade de sustentar a sua família. “Vou parar minha carreira por aqui porque gastei todas as minhas forças com essa confusão aqui”, concluiu.