Operação Áurea da Polícia Civil prende onze pessoas por receptação de joias e relógios no Estado de São Paulo.Os detidos são apontados como líderes do esquema que compra material roubado e envia para países da Europa e para os Estados Unidos.

Na capital, as prisões foram no Centro e nos Jardins e nos municípios de São Bernardo do Campo, Praia Grande e Sorocaba. Catorze prisões e mandados de busca foram decretados em 18 locais e a operação contou com participação de 10 delegados e outros 70 investigadores.

Os policiais apreenderam 21 relógios (das marcas Rolex, Patek Philippe, Guess, Breitling, Fossil, Technos); R$ 21 mil; oito computadores, passaportes, cartões de crédito e pedras preciosas. A polícia recolheu 20 telefones celulares, cadernos com anotações, balanças de precisão e equipamentos utilizados para confecção de joias.

O delegado da Divisão de Investigações de Crimes Contra o Patrimônio, Antônio De Olim, detalhou à JP a atuação dos receptadores. Ouça o áudio

O delegado lamentou que a receptação tornou-se um crime com penas brandas, o que permite o retorno dos bandidos rapidamente às ruas. Em entrevista a Anchieta Filho, Olim orientou que quem teve algum relógio de marca roubado pode tentar recuperá-lo na sede do Deic.

A operação foi deflagrada por integrantes da Divisão de Investigações de Crimes Contra o Patrimônio e pelo Garra. As atividades do grupo eram investigadas há sete meses pela equipe da 4ª Patrimônio - Delegacia de Investigações sobre Roubos a Condomínios.