O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), disse nesta quarta-feira, 19, a jornalistas que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva mente para os brasileiros e criticou a postura do petista que tem afirmado que quer voltar para "salvar o País". Doria disse que Lula 'deveria ir para Curitiba' - onde está concentrada a maior parte das investigações da Operação Lava Jato e onde estão presos outros petistas. 

O prefeito foi questionado pela reportagem sobre o fato de ter dito momentos antes, durante uma palestra em Lisboa, que não alfinetava antecessores, mas que fazia sempre duras críticas ao ex-presidente. "Mas é que o Lula toda hora alfineta a população brasileira, mentindo e dizendo que vai voltar para salvar o Brasil", justificou.

Na sequência, Doria perguntou: "Salvar do quê? Da recessão que ele e Dilma Rousseff entregaram de presente? Com três anos de recessão? Salvar 13 milhões de desempregados que ele deixou na rua, os trabalhadores que ele devia defender?". O prefeito também citou a Petrobras, dizendo que a estatal foi "surrupiada" em R$ 8 bilhões e outras estatais "de onde foram surrupiados mais R$ 42 bilhões, no maior assalto ao dinheiro público da história".

O tucano falou também sobre a imagem do Brasil no cenário internacional, que teria sido colocada "no chão". "Ah, Lula, vá visitar Curitiba que você vai se dar melhor lá!", disparou.

O prefeito participou na tarde de hoje do V Seminário Luso-Brasileiro de Direito, promovido na capital portuguesa pela Escola de Direito de Brasília do Instituto Brasiliense de Direito Público (EDB/IDP) e pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa (Fdul). A plateia era formada por portugueses e brasileiros que, em sua maioria, atua na área jurídica. 

Entusiasmo

A respeito de sua apresentação "enfática" durante a palestra, Doria disse que isso reflete a paixão pela atividade que passou a ter na vida pública. O tucano apresentou uma posição entusiasmada, arrancou aplausos da plateia várias vezes e negou que seja candidato.

Questionado sobre se o discurso não era de um candidato seria de quem, ele respondeu que era a fala de um gestor. "É de um gestor apaixonado pelo que estou fazendo. Estou feliz e satisfeito com o que estou fazendo, comprometido com as causas da cidade e com os compromissos que eu prometi durante a campanha e estou cumprindo. Isso me deixa feliz", afirmou.