A partir de amanhã, e ao menos por quatro meses, os supermercados que funcionam em qualquer ponto de São Paulo venderão, por R$ 0,59 a unidade, as “ecobags” sacolas feitas de forma a não agredir o meio ambiente. Este é um dos pontos do Termo de Ajustamento de Conduta, firmado pelo Procon, Ministério Público e Apas (associação que representa os supermercados) em que ficou determinado o fim da entrega das sacolas plásticas. anhã. Falando à repórter Renata Perobelli, Renan Ferraciolli, diretor de Fiscalização do Procon, explicou qual será o tamanho das novas sacolas, apontando ainda que, na ausência deste modelo, qualquer outro pode ser vendido. Isso não é suficiente para os consumidores, que já pensam como farão para carregar as compras, já que, diante do acordo, o povo foi o grande prejudicado, tendo de alterar todos os seus hábitos de consumo. Quem colocar o consumidor em primeiro lugar deve levar vantagem em um mercado muito competitivo, e de acordo com Ricardo Pastore, consultor em varejo da ESPM, é lamentável que a população não tenha sido envolvida na discussão. Uma outra opção, o uso das caixas de papelão, pode ser descartada se aprovado o projeto de José Bittencourt, deputado estadual pelo PR que alerta para o risco de contaminação do consumidor, que não sabe onde as caixas foram armazenadas.