O promotor de justiça Fernando Bolque, que recebeu o inquérito que apurou a morte do garoto Ítalo, devolveu o documento à polícia e pediu novas diligências. De acordo com o promotor, há várias lacunas no processo que precisam ser respondidas antes do inquérito seguir em frente. O menino, de dez anos, foi morto em uma ação policial no bairro do Morumbi no ano passado após roubar um carro em um condomínio.

Ítalo não teria parado o veículo quando foi interceptado durante a perseguição policial, perdeu o controle e bateu em um caminhão. A informação dos policiais envolvidos na operação é que o garoto atirou contra eles e morreu com o revide dos PMs. É apurado ainda se Ítalo tinha mesmo uma arma.