O humorista Carlos Alberto de Nóbrega também contribuiu com grandes momentos nos 60 anos da televisão brasileira. Em entrevista à Jovem Pan, ele falou sobre a importância do humor nos 60 anos da televisão brasileira. “É fazer as pessoas menos sofridas. A pessoa chega em casa depois do trabalho, do trânsito ruim, e é muito bom rir um pouco. É uma forma que Deus deu para os comediantes, para fazer a vida um pouco mais alegre”, ressaltou.

Carlos Alberto de Nóbrega acredita que o humor não mudou com o passar dos anos. “Acho que o tradicional é eterno. O Pânico, quando estourou, mudou o humor e foi um sucesso. Mas hoje não está mais, porque chega uma hora que a gente cansa um pouco de tanto escracho e volta ao tradicional. Eu sou uma pessoa muito tradicionalíssima. O programa de humor que eu mais gosto é “A Grande Família”. Mais tradicional que isso não existe. É da época dos grandes comediantes. Hoje está um pouco escasso”, ressaltou.

Para ele, o stand-up, que está sendo uma novidade na televisão, é o humor mais antigo que existe depois do palhaço. “Naqueles filmes de 1935, tinha sempre alguém contando piada nas boates. Isso virou moda, principalmente porque é uma fórmula muito barata. Estou contente, porque são todos jovens e todos iguais, um estereótipo, mas são engraçados. Como disse Chico Anysio, não existe piada velha ou piada nova, existe piada bem contada ou mal contada”, concluiu.

Ouça a entrevista concedida por Carlos Alberto de Nóbrega a José Armando Vannucci e Patrícia Rizzo.