Fechamento de mercado norte-americano para os veículos fabricados no México atingirá o Brasil.

Se cumprir seu posicionamento, o presidente Donald Trump acabará com o livre comércio com o vizinho, na promessa de gerar empregos nos Estados Unidos.

Trump classifica o Nafta como uma catástrofe e preocupado em fazer um acordo mais justo aos Estados Unidos. Em vigor desde 1994, o tratado envolve também o Canadá.

Com encargos trabalhistas e custos atrativos, o México se transformou num sofisticado produtor mundial - quarto maior exportador e sétimo fabricante global -, um setor que movimenta 52 bilhões de dólares e 875 mil empregos diretos no país.

O presidente da Anfavea, associação que representa as montadoras instaladas do Brasil, Antonio Megale, avaliou o impacto da possível taxação dos Estados Unidos aos veículos produzidos no México. “Existem alguns aspectos de preocupação e existem outros de oportunidade”, disse.

O México exporta 80% dos veículos produzidos no país. Montadoras americanas estão presentes no vizinho e após ameaças de Trump, a Ford reviu um investimento previsto para expansão da produção. O Brasil tem acordo com o México e recebe veículos sofisticados e exporta carros para o mercado mexicano.

*Informações do repórter Marcelo Mattos