O assessor de Segurança Interna dos Estados Unidos, Tom Bossert, afirmou nesta segunda-feira (15) que nenhum sistema federal do país foi afetado pelo ataque cibernético que ocorre há alguns dias pelo mundo. Segundo Bossert, os EUA continuam a monitorar o quadro de perto, com a colaboração de companhias e também de outros países.

Em entrevista coletiva na Casa Branca, Bossert disse que o ataque cibernético já atingiu 150 países, com mais de 300 mil máquinas afetadas. Nos EUA, ele disse que o sistema da companhia de entregas FedEx foi prejudicado.

O assessor disse que os EUA investigam o ataque, mas até agora não sabem quem foi o responsável. Bossert também afirmou que o ataque não foi gerado por um instrumento da Agência Nacional de Segurança. No domingo (14), a Microsoft havia dito que o instrumento usado no ataque veio de um código que teria sido roubado da NSA.

Bossert afirmou ainda que os usuários devem proteger seus softwares e que o ataque pode ser evitado com a atualização já disponível desde 14 de março da Microsoft. O assessor notou que aqueles que não têm uma versão registrada dos softwares ficam mais vulneráveis.