Apesar do Brasil inteiro falar o mesmo idioma, muitas vezes é absolutamente entender o que está sendo dito quando estamos fora do nosso Estado. Pior que isso, todos os brasileiros têm certeza de que o sotaque da sua região é o certo, e adoram criticar a forma como os moradores de outras áreas se expressam. Existe, então, um jeito certo de falar português? Há alguém “mais certo” do que os demais?

Quem respondeu, durante o Jornal de Serviço, foi Jânia Martins Ramos, professora de Linguística da Universidade Federal de Minas com pós-doutorado em História da Língua pela Universidade de São Paulo. Segundo ela, os sotaques estão diretamente relacionados à história das regiões, desde sua colonização ao desenvolvimento das relações sociais, fatores que influenciam na interação humana e podem “mudar” o português falado em cada parte do Brasil.

Questionada por um ouvinte sobre o dialeto “correto”, ela disse que todos os habitantes conhecem a língua já com um sotaque, e não há um dialeto “socialmente eleito” como sendo o padrão. O que mais se aproxima disso é uma mistura entre as maneiras de falar dos paulistas e dos fluminenses, o que coloca o Brasil em situação oposta àquela registrada em Portugal, já que no país europeu é mais fácil apontar o sotaque oriundo de Lisboa como o correto.