Todo pai ou mãe costuma dizer que “nem vi meu bebê crescer, ele já é um homenzinho (ou uma moça, no caso das mulheres)”. De repente, a criança começa a namorar, deixando os adultos com os cabelos em pé. Você sabe o que fazer nessa situação? Para quem respondeu não, aqui vai uma ajuda da Rádio Jovem Pan: Fábio Sormani conversou com um especialista, o psiquiatra e educador Içami Tiba, que deu valiosas dicas.

Na nossa sociedade, tudo é cada vez mais precoce, destacou ele, e isso pode prejudicar as crianças no futuro: para Içami Tiba, é fundamental que os pais entendam que o mundo está em constante mudança e, por exemplo, não coloquem (ou aceitem) maquiagem de mulher caso sua filha esteja mais para menina do que para adolescente. Também há a interferência da mídia, que muitas vezes mostra crianças quase como adultos, e não como pessoas que ainda estão em formação.

Um dos fatores que pode incentivar a “adultização” das jovens, termo utilizado por ele, é o fato da mãe ter um menor nível de educação. Atualmente, não existe mais muita diferença de tratamento entre meninos e garotas e, para dar o tratamento correto, na opinião dele, é fundamental que os pais deixem de lado as opiniões e busquem informações sobre a etapa da vida em que os filhos estão.