0:00
0:00

Conceito de Kant é tema de redação da Fuvest

  • Por Estadão Conteúdo
  • 09/01/2017 09h38
USP ImagensUSP ImagensEstudantes realizam Enem / Fuvest - Fotos Públicas

O tema da redação da segunda fase da Fuvest, que começou neste domingo (8), foi sobre a menoridade, conceito do filósofo Immanuel Kant. Os candidatos tinham de elaborar um texto argumentativo para responder se o homem atual conseguiu atingir esclarecimento para sair da menoridade. 

A prova trazia como material de apoio para o estudante um texto do filósofo escrito em 1784 e um enunciado que contextualizava o período da publicação. Segundo o filósofo, a menoridade é a incapacidade do homem de fazer uso de seu entendimento sem ser direcionado por outro indivíduo. A saída desse estado só é possível pelo esclarecimento, ou seja, quando se torna capaz de pensar de modo livre e autônomo. 

Para o estudante Julian Navarro, de 18 anos, apesar de tratar de um conceito complexo, a redação não estava difícil. “Tive Filosofia no colégio e é um assunto que gosto e tenho facilidade Achei um tema bastante pertinente com o contexto socioeconômico brasileiro”, disse o candidato, que tenta vaga em Economia.

Linniker Gardim, de 19 anos, também disse ter gostado do tema da redação. “Eles formularam a pergunta de uma forma que não deixava o aluno se perder ou fugir do tema. Eu falei sobre como o homem é hoje influenciado pelos meios de comunicação e a educação de má qualidade no País”, disse o estudante, que disputa uma vaga no curso de Saúde Pública. 

Professores de cursinho disseram que a proposta da redação seguiu o perfil dos anos anteriores, em que a Fuvest relaciona temas filosóficos com o cotidiano. “A relação neste ano não estava tão explícita como nas outras edições, mas a proposta pedia claramente que o aluno usasse sua observação da realidade. Não foi um tema que trouxe grande dificuldade para os candidatos porque permitia uma série de relações”, disse Heric Palos, professor de Português do Etapa. 

Segundo Eduardo Calbucci, supervisor de Português do pré-vestibular Anglo, o tema da redação não deveria trazer grandes dificuldades aos alunos. “O equívoco de alguns candidatos era achar que havia necessidade de conhecimento prévio sobre a filosofia kantiana. O texto e a proposta eram acessíveis para o aluno desenvolver a redação”, afirmou o professor.

Entre as possibilidade de discussões, estavam os papéis da política, do sistema educacional, da religião, dos meios de comunicação e até as relações familiares. “É bom porque dá uma amplitude de caminhos para o candidato”, afirmou Maria de Lourdes Cunha, professora de Literatura do Curso Objetivo. “Como não havia coletânea de textos, demandava mais repertório do aluno. O que torna mais difícil que ele fuja do tema”, acrescentou Calbucci. 

Português

Além da redação, os candidatos também fizeram ontem a prova de Língua Portuguesa, com dez questões de interpretação de texto, gramática e literatura. Para os professores, a prova seguiu a tendência de enunciados diretos e curtos, além de cobrança de gramática aplicada ao texto. 

Vinicius Haidar, coordenador do cursinho Poliedro, considerou que as questões estavam bem elaboradas. “As de literatura tiveram um grau alto de dificuldade, mas as de interpretação e gramática estavam mais fáceis do que no ano passado. A prova cobrou uma gramática mais aplicada”, disse. 

Palos também avaliou que as questões de literatura exigiram um pouco mais do aluno, mas a complexidade se assemelhou à de outros anos. “Foram questões muito bem feitas, cobraram quatro dos nove livros obrigatórios, sempre fazendo relações com outros conceitos.”

Henrique Rasquel, de 17 anos, disse ter achado a prova simples, apesar de exigente. “As questões sobre os livros não eram apenas para certificar a leitura, mas pediam contextualização. Só não tinha lido Mayombe e tive dificuldade para responder”, afirmou o estudante, que quer entrar em Farmácia.

Abstenção

Dos 22.869 convocados para a segunda fase do vestibular, 1.933 faltaram à prova deste domingo – 8,5% de abstenção. O índice é maior que o do ano passado, quando 7,9% dos candidatos deixaram de comparecer ao primeiro dia da segunda fase. 

Nesta segunda, os candidatos fazem uma prova de 16 questões com as disciplinas que constituem o núcleo comum do ensino médio (História, Geografia, Matemática, Física, Química, Biologia, Inglês), sendo algumas questões interdisciplinares. Amanhã, último dia de provas, são 12 questões de duas ou três disciplinas, a depender da carreira escolhida. Cada um dos dias de prova vale 100 pontos. O candidato que zerar em uma das avaliações estará eliminado do vestibular.