0:00
0:00

“Definir e implantar políticas estruturantes, e não políticas compensatórias”

  • Por Jovem Pan
  • 14/01/2014 18h19
Luis Ushirobira/Valor/ FolhapressLuis Ushirobira/Valor/ FolhapressClaudio Lottenberg
Data: 10/11/2010Ê Editoria: Empresas Reporter: Beth Local: Hospital Albert Einstein, Sao Paulo,SP Pauta: entrevista (ping pong) com Claudio Lottenberg, presidente da Sociedade Israelita Albert Einstein Personagem: Claudio Lottenberg, presidente da Sociedade Israelita Albert Einstein Fotos: Luis Ushirobira/Valor

Claudio Luiz Lottenberb, 53 anos, é presidente do conceituadíssimo Hospital Israelita Albert Einstein e um dos médicos oftalmologistas mais conceituados do mundo. Graduado pela Escola Paulista de Medicina, é professor co-orientador do curso de Pós-Graduação em Oftalmologia da Universidade Federal de São Paulo e professor titular do curso do MBA em Saúde do IBMEC. Além disso, foi Secretário Municipal de Saúde do município de São Paulo, gestão José Serra, e presidente da Sociedade Brasileira de Laser e Cirurgia em Oftalmologia – gestão 2007/09.

O que fazer por um Brasil Melhor?

Lottenberg pede que haja um Projeto de Estado e não projetos de governos, políticas estruturantes e não compensatórias, e isso para todas as áreas.

Na política, as reformas devem fazer as instituições representarem os interesses da sociedade, e não somente particulares, ou, pior, corporativos.

Uma reforma administrativa deve trazer eficiência e meritocracia para o Estado, eliminando as imoralidades e os chamados “cargos de confiança”.

É preciso que se diminua também, na visão de Lottenberg, as cargas tributárias pesadas e injustas que afastam os investimentos e pouco se revertem em benefício da população.

Outra área fundamental para um país melhor é a educação, base do conhecimento e desenvolvimento.

Na questão ética, deve-se acabar com o chamado “jeitinho brasileiro” e a ânsia de querer levar valtagem em tudo, “que culminam na corrupção”.

Já na área em que atua, a saúde, Lottrenberg pede políticas estruturantes. Tenta-se resolver gargalos e questões mais momentâneas, o que não soluciona o problema, pois a estrutura é precária.