0:00
0:00

Exército admite ter negociado com Governo de SP operação em manifestação

  • Por Jovem Pan
  • 18/10/2016 16h16
Tânia Rêgo/ Agência BrasilTânia Rêgo/ Agência BrasilO capitão do Exército
Rio de Janeiro - Tropas de segurança do exército participam de operação de blitz, na região do Complexo Esportivo de Deodoro, como treino de segurança para os jogos olímpicos Rio 2016 (Tânia Rêgo/Agência Brasil)

O exército admitiu ter negociado com o Governo de São Paulo uma operação que envolveu acompanhamento de capitão em manifestação contra Michel Temer. O protesto ocorreu no dia 04 de setembro, quando 21 jovens foram presos em frente ao Centro Cultural São Paulo, antes de irem para o ato.

O capitão do Exército, Willian Pina Botelho, teria se infiltrado entre os manifestantes e usava o nome de Balta Nunes nas redes sociais. O Ministério Público Federal e o Estadual abriram investigação no mês passado para apurarem se a operação foi legal.

O comandante-geral do Exército, general Eduardo da Costa Villas Boas, afirmou que não há preocupação a respeito da legalidade da ação.

“O primeiro aspecto a destacar que ele não estava infiltrado, estava acompanhando. Nós estamos muito tranquilos porque estamos absolutamente respaldados pela legislação e por medidas que haviam sido adotadas. Havia a situação dos Jogos Olímpicos, havia uma situação de segurança do presidente, estava tudo dentro deste contexto. Nós estamos tranquilos, cumprindo a nossa missão, é lógico essas investigações vão chegar a termo, mas enfim não temos preocupação.” 

Questionado se houve comunicação com o Governo do Estado de São Paulo a respeito da operação, o general Villas Boas responde: “Houve, houve, houve uma absoluta interação com o governo do Estado. As pessoas precisam entender o Exército tem sido demandado para o cumprimento de várias missões fora da nossa esfera de responsabilidade primordial, vamos dizer assim”, disse o general.

“Então, por exemplo, lá no Rio de Janeiro nós estamos sendo demandados novamente pra contribuir com a segurança pública. Logicamente que isso exige de nós um acompanhamento da situação. O que garante a nossa eficiência, com oportunidade, com objetividade, com o mínimo de danos laterais, é exatamente o conhecimento prévio que nós buscamos reunir antes de sermos empregados”, completou.

À época, o Comando da Polícia Militar disse negar a existência de qualquer ação de inteligência que tenha sido realizada por outro órgão de segurança. A instituição afirmou ainda não conhecer o homem apontado como sendo um oficial das Forças Armadas. Em nota, a Secretaria da Segurança Pública reiterou à Jovem Pan que não houve qualquer operação conjunta durante as manifestações em São Paulo.

*As informações são do repórter Anderson Costa