0:00
0:00

Gestão Doria vai multar carros em viaduto da 9 de Julho a partir do dia 23

  • Por Estadão Conteúdo
  • 04/01/2017 17h15
Fabio Arantes/ SecomFabio Arantes/ SecomAvenida 9 de julho - Fotos Públicas
Sao Paulo- SP- Brasil- 01/01/2017- O primeiro dia útil da nova gestão da Prefeitura de São Paulo começou cedo. Às 6h, o prefeito João Doria e os 22 novos secretários municipais foram uniformizados de gari até a Avenida 9 de Julho, altura da Praça 14 Bis, lançar o Programa São Paulo Cidade Linda. “Este é o primeiro dia útil do nosso mandato, e já começamos trabalhando. Desde as 6h da manhã com todos os secretários, todos os presidentes das empresas públicas municipais estão aqui. E estamos dando um exemplo de servidor. Eu sou um servidor público, todos os demais secretários que estão aqui presentes. Os presidentes das empresas e autarquias. Ao lado dos garis, e vestidos como eles, para dar uma demonstração clara, primeiro, de apoio a essa parcela da população, que trabalha para a cidade ficar melhor. Depois, para dar uma demonstração clara de limpeza, de polidez, de melhorar a qualidade da nossa cidade, eliminando as pixações, limpando as bocas de lobo, limpando as calçadas, recusando jardins, trocando lâmpadas queimadas, enfim, fazendo a zeladoria urbana da nossa cidade.”, afirmou o prefeito João Doria. Formado por um conjunto de serviços de zeladoria urbana, o São Paulo Cidade Linda tem como principal objetivo revitalizar áreas em todas as regiões, por meio de uma ação integrada entre poder público, iniciativa privada, ONGs e cidadãos. A Avenida 9 de Julho, em toda sua extensão, é o primeiro eixo a receber os serviços do programa, com a manutenção de logradouros, conservação de galerias e pavimentos, retirada de faixas e cartazes, limpeza de monumentos, recuperação de praças e canteiros, poda de árvores, manutenção de iluminação pública, reparo de sinalização de trânsito, limpeza de pixações, troca de lixeiras, reparo de calçadas, entre outros serviços. A ação, que será realizada até a próxima quarta-feira (4) na região, contará com o serviço de 1.291 pessoas e com a utilização de 176 equ

No terceiro dia de governo, a gestão do prefeito de São Paulo João Doria (PSDB) anunciou que vai começar a multar, a partir do dia 23 de janeiro, motoristas que estejam dirigindo sem pelo menos um passageiro no viaduto Doutor Plínio de Queiroz, sobre a praça 14 Bis, na região central da cidade. Nesta sexta-feira, 6, a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) vai liberar o tráfego para carros compartilhados na via – hoje, só circulam ônibus.

Com a medida, para trafegar no viaduto, os veículos deverão ter pelo menos duas pessoas, no período das 5h às 21h, de segunda a sexta-feira. Aos sábados, a circulação ficará entre 5h e 15h. Em outros horários, domingos e feriados o tráfego será liberado para todos os veículos. A circulação de ônibus será mantida.

A data de início da penalidade foi informada pelo secretário municipal dos Transportes Sérgio Avelleda em entrevista à Rádio Estadão nesta quarta-feira, 4. Segundo ele, nas duas primeiras semanas os motoristas não serão autuados. A CET vai anotar a placa dos carros que não estiverem circulando conforme as novas regras e uma carta será enviada para a casa do motorista com uma advertência. “Vamos orientar exaustivamente os condutores sobre o comportamento que se deseja deles”, explicou.

A partir do dia 23, porém, os motoristas serão multados. Para Avelleda, a fiscalização será “muito fácil” e vai ser feita por agentes da CET. “A fiscalização neste ponto do viaduto não tem grandes dificuldades de ser feita”, disse. Para monitorar a área, a Prefeitura terá de manter agentes por 16 horas no local, diariamente, já que a proibição durante a semana vale das 5h até as 21h.

Segundo o secretário, a decisão pelo fechamento do viaduto para carros em gestões anteriores causou um “desequilíbrio” na região “A medida (de permitir passagem somente de ônibus na via) foi tomada porque de fato engarrafava bastante as duas saídas, tanto em direção aos Jardins (bairro nobre da cidade), quanto ao centro, devido ao tráfego. Mas agora temos grande capacidade de fluxo pouco utilizada pelo transporte coletivo e na área de baixo foi causado grande congestionamento. Vamos buscar o máximo de equilíbrio para que seja confortável para todos”, afirmou.