0:00
0:00

Número de mortos no terremoto do Irã sobe para ao menos 340

  • Por EFE
  • 13/11/2017 07h44
EFE/EPA/POURIA PAKIZEHVítimas iranianas de terremoto se reúnem do lado de fora de prédio em volta de fogueiras em Pole-Zahab, Irã

O número de mortos após o forte terremoto de 7,3 graus na escala Richter que assolou na noite deste domingo a província de Kermanshah, no oeste do Irã, aumentou hoje para ao menos 340 e para mais de 6,2 mil feridos, segundo a televisão estatal do país.

As autoridades iranianas mobilizaram todos os corpos de segurança para acelerar os trabalhos de resgate e de retirada de escombros nas cidades de Kermanshah, as mais danificadas pelo tremor.

As operações de busca acontecem contra o tempo para tentar salvar possíveis sobreviventes e nelas participam o Exército, os Guardiães da Revolução, a força de Voluntários Islâmicos e o Crescente Vermelho do Irã.

O vice-presidente da Organização de Gestão de Crise do Irã, Behnam Saidi, explicou que foram enviados 19 helicópteros e três aviões para as áreas afetadas para a transferência dos feridos.

Foram enviadas também cerca de 140 ambulâncias.

Vários prédios desmoronaram e milhares de pessoas passaram a noite nas ruas com medo das réplicas, que foram contadas às dezenas.

Os danos são, por enquanto, difíceis de quantificar devido a que as comunicações foram cortadas e a que algumas estradas permanecem bloqueadas impedindo o acesso a áreas danificadas.

O epicentro do terremoto aconteceu às 21h18 (horário local, 16h18 em Brasília) perto da cidade iraquiana de Halabya, na região do Curdistão, na fronteira com o Irã, a uma profundidade de 33 quilômetros.

As cidades mais afetadas no Irã são Kermanshah, Ghasr Shirin, Sarpul e Azgale, embora as réplicas tenham sido sentidas em várias províncias, incluindo a capital Teerã.

O Irã tem uma grande atividade sísmica. Os terremotos mais graves até o momento aconteceram em dezembro de 2003 e em junho de 1990, quando 31 mil e 37 mil pessoas morreram, respectivamente.