O primeiro-ministro da Malásia, Najib Razak, anunciou nesta segunda-feira que o avião que fazia o voo MH370 da Malaysia Airlines caiu no Oceano Índico e não há sobreviventes. 


Najib disse que esta conclusão foi obtida por meio de novos dados e análises da companhia de satélites Inmarsat. "A última posição foi na metade do oceano Índico, ao oeste de Perth (capital do estado da Austrália Ocidental)", disse o governante.


As buscas pela aeronave continuam após algumas peças terem sido avistadas na costa oeste da Austrália.


 Antes da entrevista coletiva, a Malaysia Airlines enviou aos familiares das pessoas que viajavam a bordo do Boeing 777-200 uma mensagem no qual lamentavam comunicar que "ninguém sobreviveu".

O voo levava 153 chineses, 50 malaios (12 formavam a tripulação), sete indonésios, seis australianos, cinco indianos, quatro franceses, três americanos, dois neozelandeses, dois ucranianos, dois canadenses, um russo, um holandês, um taiuanês e dois iranianos que embarcaram com passaportes roubados de um italiano e de um austríaco.

O avião decolou de Kuala Lumpur com 239 pessoas a bordo rumo a Pequim na madrugada de 8 de março e desapareceu dos radares civis da Malásia 40 minutos depois.

As autoridades malaias não deram uma explicação para o ocorrido e será preciso aguardar a recuperação das caixas-pretas do aparelho