Rohani afirma que “alguns países ocidentais não querem estabilidade na Síria”

  • Por Agência EFE
  • 15/04/2018 15h23
Reprodução/FlickrSegundo comunicado, Rohani acusou EUA, França e Reino Unido de cometerem na Síria "um ato de agressão para levantar o espírito dos terroristas"

O presidente do Irã, Hassan Rohani, afirmou neste domingo (15) que “os Estados Unidos e alguns países ocidentais não querem estabilidade na Síria” e que os bombardeios não devem ficar impunes.

Em uma conversa telefônica com o presidente russo, Vladimir Putin, ambos apoiadores do regime de Damasco, Rohani ressaltou que Irã e Rússia não podem permitir que “surja um novo foco de tensão” na região do Oriente Médio.

Segundo o comunicado da presidência iraniana, Rohani acusou EUA, França e Reino Unido de cometerem na Síria “um ato de agressão para levantar o espírito dos terroristas”.

“Se a agressão e a violação flagrante das leis internacionais são feitas facilmente e sem pagar nenhum preço, seremos testemunhas de instabilidade em nível internacional e regional”, advertiu.

Por sua parte, o ministro de Relações Exteriores iraniano, Mohamad Yavad Zarif, criticou hoje que os bombardeios lançados contra a Síria foram “um movimento unilateral, ilegítimo e arbitrário”.

“Nenhum país está permitido a castigar unilateralmente outros Estados à margem das normas internacionais”, disse Zarif ao seu homólogo britânico, Boris Johnson.

O chefe da diplomacia iraniana também denunciou “o duplo padrão” de Ocidente no que diz respeito ao uso de armas químicas, segundo um comunicado da pasta de Exteriores.

Neste sentido, afirmou que os bombardeios foram cometidos antes que os especialistas da Organização para a Proibição das Armas Químicas (OPAQ) começassem sua investigação na cidade de Duma, alvo recentemente de um suposto ataque químico pelo qual EUA, Reino Unido e França responsabilizaram o regime sírio.

“Quando foi abordado o tema do desarmamento químico da Síria, anunciamos que os grupos terroristas na Síria estão equipados com armas químicas, mas ninguém levou a sério a advertência do Irã”, acrescentou Zarif.

Estados Unidos, França e Reino Unido efetuaram ontem uma ofensiva com mísseis contra instalações governamentais sírias, onde, segundo Washington, se produziam e armazenavam armas químicas.

Teerã respalda o regime sírio de Bashar al Assad com assessores militares e milicianos xiitas no terreno, e promove junto com Rússia e Turquia as conversas de paz de Astana.