0:00
0:00

Trump anuncia cancelamento de acordo com Cuba, assinado por Obama em 2014

  • Por Agência EFE
  • 16/06/2017 15h26 - Atualizado em 29/06/2017 00h35
EFE /MICHAEL REYNOLDSEFE /MICHAEL REYNOLDSDonald Trump - EFE
STX03. WASHINGTON (EE.UU), 18/05/2017.- El presidente de Estados Unidos, Donald J. Trump, hace un gesto ante la pregunta de un periodista durante una conferencia de prensa conjunta con el presidente de Colombia, Juan Manuel Santos (fuera de cuadro), tras una reunión en la Oficina Oval de la Casa Blanca, hoy, jueves 18 de mayo de 2017, en Washington, DC (EE.UU.). Trump recibió hoy en la Casa Blanca a su homólogo colombiano, Juan Manuel Santos, y dijo que hablaría con él sobre el tráfico de drogas, que calificó como "un problema muy grande". "Vamos a hablar (también) sobre Venezuela. Lo que está pasando en Venezuela es muy, muy triste", dijo Trump al comienzo de su reunión con Santos en el Despacho Oval. EFE /MICHAEL REYNOLDS

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou nesta sexta-feira o “cancelamento” da política de Barack Obama para Cuba, feito em 2014, e se mostrou disposto a negociar “um acordo melhor” com a ilha, mas apenas se houver avanços “concretos” para a realização de “eleições livres” e a liberdade de “prisioneiros políticos”.

“Quando os cubanos derem passos concretos, estaremos prontos, preparados e capazes de voltar à mesa para negociar esse acordo, que será muito melhor”, disse Trump em um discurso em Miami.

O mandatário dos EUA ainda desafiou o governo cubano a apresentar-lhe um novo acordo para a normalização de relações bilaterais que convenha a ambas partes, ainda que tenha assegurado que não fará mudanças na sua política para a ilha se não houver reformas concretas em Cuba.

“Desafiamos Cuba a vir à mesa com um novo acordo que esteja no melhor interesse tanto do seu povo como do nosso”, disse Trump em um discurso em Miami.

A mudança de política para Cuba inclui seu apoio ao embargo comercial e financeiro americano à ilha e a oposição aos pedidos internacionais para que o Congresso o suspenda, informou a Casa Branca.

“A política reafirma o embargo americano imposto por lei a Cuba e se opõe aos pedidos nas Nações Unidas e outros foros internacionais para acabar com ele”, indicou a Casa Branca em um comunicado, enquanto Trump anunciava a mudança de política em teatro de Little Havana em Miami.

“Faremos com que o embargo seja cumprido”, disse o presidente durante o seu discurso no teatro Manuel Artime, em Little Havana, onde detalhou a revisão que decidiu fazer na política de normalização de relações com a ilha iniciada pelo seu antecessor, Barack Obama.

A suspensão do embargo é algo que só pode ser decidido pelo Congresso dos EUA, controlado agora pelos republicanos em ambas câmaras.