“O fracasso nos olha nos olhos”, diz mediador das negociações da Síria

  • Por Agencia EFE
  • 13/02/2014 17h02

Genebra, 13 fev (EFE).- O mediador do processo de paz para a Síria, Lakhdar Brahimi, reconheceu nesta quinta-feira que o fracasso é sempre uma possibilidade, em referência ao rumo que pode tomar as negociações entre o governo e a oposição, mas garantiu que não poupará esforços para avançar.

“O fracasso nos olha nos olhos, mas no que se refere a Nações Unidas, certamente não vamos poupar esforços se existe uma mínima possibilidade de avançar”, declarou ao término de uma reunião com altos representantes dos Estados Unidos e da Rússia.

Brahimi se reuniu com os “números dois” da diplomacia de ambos os países para informar sobre o desenvolvimento das negociações de paz em Genebra, e analisar como podem contribuir para desbloqueá-las, já que, segundo ele, até o momento não foram conseguidos muitos progressos.

“Apenas começamos a discutir as possibilidades, talvez, implementemos o Comunicado de Genebra”, disse, em referência ao documento no qual se baseiam as negociações e que menciona a cessação das hostilidades e a necessidade de uma transição política na Síria.

“(Rússia e Estados Unidos) reafirmaram apoio ao que tentamos fazer, e prometeram ajudar aqui, nas suas capitais e em qualquer outro lugar”, detalhou.

Perguntado sobre a posição da Rússia perante a proposta de negociar em paralelo os principais temas em desacordo entre governo e oposição, comentou que Moscou parece “não ser contrário”.

No entanto, Brahimi enfatizou que embora sejam buscadas soluções em paralelo para deter a violência e a formação de um órgão de governo transitório – temas prioritários defendidos pelo governo e pela oposição, respectivamente – estes assuntos “não serão solucionados nem nesta semana nem na seguinte”.

O mediador afirmou hoje que espera que, como resultado das negociações, seja possível replicar uma trégua humanitária em outros pontos do país, como a declarada em Homs.

“Gostaríamos de repetir isto, mas acho que necessitamos de um milagre para que nossa gente saia com vida”, disse, após lembrar que os voluntários do Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho e da equipe da ONU que entraram em Homs foram atacados várias vezes.

Ele contou que o veículo do representante da ONU na Síria que entrou em Homs “saiu de lá apenas com um pneu” depois de receber vários disparos.

Sem informar se foram conversadas sobre novas medidas humanitárias em outros lugares, o mediador enfatizou que “algumas coisas positivas ocorreram em Homs, como o anúncio hoje de uma nova extensão do cessar-fogo”. EFE