0:00
0:00

Moro pediu a Lula que não usasse o termo “querida”

  • Por Estadão Conteúdo
  • 13/09/2017 19h30
ReproduçãoLula é réu por corrupção passiva e lavagem de dinheiro sobre contratos entre a Odebrecht e a Petrobras

O depoimento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva já passava de uma hora de duração na tarde desta quarta-feira (13). Ao responder a uma pergunta da procuradora da Isabel Groba, o petista se referiu a ela como “querida”.

“Não sei, querida, não sei”, disse.

A procuradora pediu que Lula não se dirigisse a ela nestes termos. “Pediria que o sr ex-presidente se referisse ao membro do Ministério Público pelo tratamento protocolar devido.”

Lula perguntou. “Como seria, Doutora?”

Moro, então, interrompeu. “Senhor ex-presidente, peço escusas, não percebi isso de maneira tão clara. Sei que o sr ex-presidente não tem nenhuma intenção negativa em utilizar esse termo ‘querida’, mas peço que não utilize. Pode chamar de Doutora, Senhora procuradora, perfeito?”

“Tá bem”, disse Lula.

Lula é réu por corrupção passiva e lavagem de dinheiro sobre contratos entre a empreiteira e a Petrobras. Segundo o Ministério Público Federal os repasses ilícitos da Odebrecht chegaram a R$ 75 milhões em oito contratos com a estatal. O montante, segundo a força-tarefa da Lava Jato, inclui um terreno de R$ 12,5 milhões para Instituto Lula e cobertura vizinha à residência de Lula em São Bernardo do Campo de R$ 504 mil.