Temer diz que governo faz trabalho social eficiente com venezuelanos

  • Por Estadão Conteúdo
  • 20/03/2018 18h41
Beto Barata/PRAo lado da primeira-dama, Marcela Temer e do presidente da Colômbia, Juana Manuel Santos, Michel Temer participa da abertura do Programa Primeira Infância

Depois de dizer que a crise humanitária na Venezuela e a onda de migrações perturbam os países da América Latina, o presidente Michel Temer afirmou nesta terça-feira, 20, que o governo federal faz um trabalho social eficiente em Roraima, principal entrada de imigrantes vindos do país.

“Nossa prefeita de Boa Vista, Teresa Surita, que agora está cuidando dos venezuelanos, com grandes problemas, mas com muita sabedoria e auxílio do governo federal. Temos tido um trabalho social muito eficiente lá em Roraima, como é feito na Colômbia”, disse Temer ao participar nesta tarde da Conferência Internacional da Primeira Infância, em Brasília, ao lado do presidente colombiano, Juan Manuel Santos, e da prefeita, entre outras autoridades.

Temer e Santos discutiram hoje ações em conjunto na região de fronteira e decidiram apelar para que o presidente do regime bolivariano na Venezuela, Nicolás Maduro, aceite ajuda humanitária internacional.

Temer destacou o investimento do governo no programa Criança Feliz, cuja embaixadora é a primeira-dama, Marcela Temer. Segundo o Ministério do Desenvolvimento Social, 2.683 cidades brasileiras aderiram ao Criança Feliz, que atualmente atende 209 856 crianças e 31.071 gestantes. “O ideal é que chegue a 1 milhão e poucas famílias”, afirmou Temer.

O programa promove acompanhamento, com visitas domiciliares, e orientação sobre o desenvolvimento infantil de crianças de famílias beneficiadas pelo Bolsa Família, entre zero e 3 anos, e que recebem o benefício de prestação continuada, até seis anos, além de mulheres grávidas e crianças afastadas do convívio familiar por medidas protetivas.

“É do zero aos seis anos que se forma a personalidade do homem e da mulher, do adulto”, disse o presidente. Temer elogiou a dedicação do ministro do Desenvolvimento Social, Osmar Terra, à frente do programa, e também de Marcela. “A Marcela também se dedicou muito. Toda noite quando eu chegava, ela dizia ‘precisamos arrumar mais recursos para o Osmar Terra'”.

O presidente da Colômbia destacou o programa de seu governo para investimento em desenvolvimento infantil e afirmou que ele faz parte de um tripé escolhido como missão para sua gestão, baseado na paz, educação e igualdade. Segundo ele, o Estado hoje investe mais em educação do que em segurança e defesa, o que ocorria antes no país, e deve gastar de forma mais efetiva onde tem mais impacto na luta contra a pobreza.

“A base de tudo é a primeira infância, que é onde começa a desigualdade. Todos os outros esforços são mais difíceis. Se uma criança chega ao colégio mal tratada ou mal alimentada, vai ter em dificuldades de condições em todo o colégio. Aí começa a falta de igualdade”, disse o colombiano. “Para ter paz estável e duradoura, precisamos de mais equidade. E para ter mais equidade, precisamos de mais educação. Esses pilares começam na primeira infância. A primeira infância é um dos poucos investimentos sociais rentáveis”, disse o presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos.