Após confirmação de morte por febre amarela no interior de São Paulo, secretário da Saúde diz que vacinação está sendo reforçada em áreas de risco.

A prefeitura de Ribeirão Preto confirmou nesta semana que a morte de um homem de 52 anos ocorreu em dezembro por causa do vírus.

A administração afirmou ainda que não há riscos para a população urbana da cidade, já que o mosquito que transmitiu a doença é silvestre.

De qualquer maneira, o secretário estadual da saúde, David Uip, disse que os esquemas de vacinação e a fiscalização nas áreas de mata estão sendo ampliados.

“A primeira medida nas áreas mais vulneráveis é ampliar o sistema de vacinação. A Sucen [Superintendência de Controle de Endemias] está entrando nas matas e fazendo armadilhas para verificarmos se há vetor urbano ou rural”, disse.

O Ministério da Saúde também orienta a população que mora ou vai viajar para áreas rurais, silvestres ou de mata a tomar a vacina contra a febre amarela.

A vacina está disponível em toda a rede pública de saúde e o período de maior incidência da doença é de dezembro a maio.

*Informações do repórter Tiago Muniz