Diretoria do Hospital São Paulo busca nesta terça-feira (16), em Brasília, recuperar verba do Governo Federal, após Ministério da Saúde ter suspendido repasse de montante vindo do Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais, o Rehuf.

Segundo a pasta, a interrupção se deve a incompatibilidade entre os serviços oferecidos e os pré-requisitos para receber o repasse.

Em meio a uma crise financeira, o Hospital São Paulo, ligado à Universidade Federal do Estado, restringiu os atendimentos apenas para casos de urgência e emergência.

O ministro da Saúde, Ricardo Barros, explicou que o Cadastro Nacional de Estabelecimento de Saúde do hospital é de entidade filantrópica: “como é uma interpretação nova, não vou discutir o que foi feito até agora. Fui notificado pela Controladoria de que deveria suspender o pagamento do Rehuf, porque ela está registrada como filantrópica”.

Questionado sobre a otimização de recursos, o ministro Ricardos Barros se mostrou irredutível na questão da gestão, desafio de austeridade, apontou. “Acho que deveria funcionar melhor. É esse o desafio e é isso que estamos fazendo no Ministério, mas, com os recursos que temos”, disse.

Ainda segundo o Ministro da Saúde, cabe ao Hospital São Paulo escolher se mantém o cadastro como entidade filantrópica ou na caracterização de hospital universitário.

Para se manter, o Hospital diz estar fazendo empréstimos em bancos e adiado pagamento a fornecedores. Dívida já chega a R$ 160 milhões.

*Informações do repórter Felipe Palma