Pesquisas eleitorais precoces são tão boas quanto previsões de uma bola de cristal

  • Por Jovem Pan
  • 05/12/2017 09h32

Elza Fiúza/ABr

Uma multidão de brasileiros ainda leva à sério os índices despejados por alquimistas da estatística que sempre se esquecem de combinar com as urnas

O economista Pedro Malan, um dos criadores do Plano Real, descobriu que no Brasil até o passado é imprevisível. Em um país assim, pesquisas de intenção de voto precoces são tão relevantes e precisas quanto previsões de cartomantes, búzios ou bola de cristal. Mas as lojinhas de porcentagens não podem parar e já estão em ação quanto às eleições de 2018, e uma multidão de brasileiros ainda leva à sério os índices despejados por alquimistas da estatística que sempre se esquecem de combinar com as urnas.

Confira o comentário completo de Augusto Nunes: