Atentado de Londres comprova que a baixa tecnologia pode causar alto impacto

  • Por Caio Blinder/Jovem Pan
  • 06/06/2017 09h46
EFEPolícia de Londres investiga incidentes em Borough Market e em Vauxhall

Uma faca na mão e uma ideia maligna na cabeça. O atentado de Londres comprovou mais uma vez que low tech, baixa tecnologia, pode causar alto impacto, além de mortes, infelizmente.

No trocadilho infame, o terror tem a faca e o queijo na mão. O queijo no caso é esta capacidade de conseguir publicidade global para a causa. Obviamente, a maioria está contra o terror, mas basta a causa angariar mais alguns adeptos e está praticamente garantido que a violência deve continuar. 

Somos todos técnicos de terrorismo, assim como de futebol. Cada um irrompe no cenário com sua solução fulminante para o problema nesta área de irresponsabilidade extrema que é o Twitter.

Se Donald Trump pode despejar bobagem às 6 da matina, por que não eu ou você? A gente ainda se surpreende com quanto disparate pode ser disparado em 140 caracteres

Na Internet, uma das propostas mais disseminadas é fechar a Internet para os terroristas. Sim, a mesma Internet que se mobiliza contra o terror. Imagine estes técnicos de terrorismo definindo exatamente o que é extremismo quando pedem controle na Internet?

E a conversa vai longe, circular, no círculo vicioso até que o terror apronte mais uma, com uma arma de baixa sofisticação e alto impacto. A suposição era a de que os três terroristas em Londres estavam armados com coletes explosivos. Eram falsos. E na próxima vez?

Brian Dillon, que foi um dos chefões na divisão antiterrorista na polícia de Londres, disse que a “violência grotesca” no sábado era previsível. Não se trata de derrotismo, mas da constatação lógica de que nós estamos na ratoeira e os ratos estão soltos com a faca e o queijo na mão.

Eu acho bacana o estoico espírito britânico nestas horas, a lembrança de frases churchillianas de desafio aos nazistas na Segunda Guerra Mundial  e a reafirmação de que a vida segue, como se o novo normal fossem três atentados em três meses.

No entanto, não dá para fugir de uma realidade. O objetivo do terror é semear terror e em meio a este propalado espírito estoico a sociedade britânica tem a sensação de cerco mesmo quando o inimigo está munido de facas e outras armas primitivas.