0:00
0:00

Intenção dos mortadelas em manifestação é óbvia: a vitimização de Lula

  • Por Jovem Pan
  • 20/07/2017 06h01
EFE/Joédson AlvesEFE/Joédson AlvesOs organizadores tentam dissimular a pauta, mas a intenção do troço é óbvia: investir na vitimização de Lula

Nesta quinta-feira (20) haverá manifestação dos mortadelas na Avenida Paulista. Os organizadores tentam dissimular a pauta, mas a intenção do troço é óbvia: investir na vitimização de Lula e criar condições para que os petistas potencializem ao máximo o lucro com a antecipação judicializada da campanha eleitoral de 2018.

Sabem que pedir eleições diretas agora é jogar pra galera, mas isso não torna menos alarmante o modo como o fazem. O tal Luiz Marinho, por exemplo, diz que Michel Temer deveria convocar eleições diretas imediatamente e que é inaceitável “essa decisão por cima”. É o cúmulo da inversão de valores, o suprassumo da manipulação autoritária da democracia; porque o que esse senhor chama de decisão por cima nada mais é do que pleno respeito ao que está na Constituição Federal. E o que está na Constituição? Ora: Se Temer cair, será substituído por um presidente escolhido em eleição indireta no Congresso. Ponto final.

Marinho, porém, avança. E então declara: “Eleição sem Lula é tapetão.” Vou repetir a sentença desse patriota: “Eleição sem Lula é tapetão”. O que se explicita aí – para além do desespero de não ter plano B – é a compreensão norte-coreana de que a Justiça é um agente político-eleitoral, que se move partidariamente, e que qualquer decisão contra Lula será, portanto, um golpe para beneficiar seus adversários. O que se explicita na sentença de Marinho é sobretudo uma carta branca a Lula, o inimputável, homem inocente ainda que evidentemente culpado.

É nessa – com essa extraordinária capacidade de ser desonesto intelectualmente – que os petistas vão até as eleições do ano que vem.