Enquanto os brasileiros querem se livrar dos corruptos, o STF tenta livrá-los

  • Por Jovem Pan
  • 23/03/2018 10h55 - Atualizado em 26/03/2018 07h16
STFO povo brasileiro trabalha para pagar R$ 33 mil para cada um dos ministros, mas a maioria deles ainda achou que seria muito cansativo trabalhar até meia-noite para votar o HC.

Enquanto a maioria dos brasileiros quer se livrar dos corruptos, o STF tenta de todas as formas livrar os corruptos.

Isso ficou claro na farsa encenada na quinta-feira, na sessão de julgamento do pedido de habeas corpus de Lula.

A demora dos ministros em discutir o cabimento do HC e em voltar do intervalo de supostos 10 minutos para o lanche, que se estendeu por 50 minutos; somada à viagem de Marco Aurélio Mello para o Rio de Janeiro que evitou a continuidade da sessão, preparou a cena para o impedimento da prisão do condenado até 4 de abril.

O povo brasileiro trabalha para pagar mais de 33 mil reais a cada um dos 11 ministros do STF, mas a maioria deles ainda achou que seria muito cansativo trabalhar até meia-noite para votar o HC.

Essa gente tem compromisso zero com o país. O compromisso é com a impunidade dos camaradas.

O STF virou o Drive Thru de Lula.

O advogado José Roberto Batochio, na prática, pediu verbalmente: vocês podem garantir a liberdade do meu cliente, até depois que vocês terminarem de curtir suas viagens e o recesso de Páscoa?

Claro, senhor, quer um pedido de vista de sobremesa também?

Sim, obrigado, e mais um sundae de chocolate.

Alexandre de Moraes felizmente disse nunca ter visto na história do Supremo a concessão de uma liminar como a que pediu Batochio.

Pior é que se houver pedido de vista do HC em 4 de abril, não será surpresa se for mantido o impedimento da prisão de Lula.

Como o ordenamento jurídico já foi para o espaço, tampouco será surpresa se Dias Toffoli, Ricardo Lewandowski, Celso de Mello, Gilmar Mendes e o próprio Marco Aurélio se revezarem para retardar ao máximo o julgamento do habeas corpus, quem sabe até setembro, quando Toffoli assume a presidência da Corte, pode pautar a ação que Cármen Lúcia se recusou a pautar sobre prisão em segunda instância, e conseguir a alteração da jurisprudência para beneficiar todos os condenados com mais tempo de liberdade, inclusive para fazer campanha eleitoral, como quer Lula.

Já Rosa Weber é a Dilma do STF. É tão perdida e confusa em cada intervenção que, com benevolência, fica até difícil cravar se ela é complacente com a farsa da ala lulista de caso pensado, ou porque tomou aleatoriamente a primeira posição que (mal) conseguiu expressar, a favor da liminar com ketchup, mostarda e maionese.

A posição de Rosa Weber na sessão de quinta, lamentavelmente também seguida por Luiz Fux, não quer necessariamente dizer que ela votará pela concessão do HC de Lula, mas a defesa do petista, incluindo aí a ala lulista do Supremo, ganhou mais duas semanas, no mínimo, para tentar convencer a claudicante ministra a fazer isso.

A Lava Jato ajuda a dissuadir potenciais criminosos de cometer crimes, pelo risco de serem delatados por comparsas e investigados com rigor, e pelo temor de caírem nas mãos de juízes como Sergio Moro e Marcelo Bretas, que não compactuam com a corrupção.

O STF, ao contrário, retira os freios de criminosos garantindo a impunidade e nos mantendo como um dos países mais corruptos do mundo.