O comentarista José Nêumanne Pinto diz que seria absurdo dizer que ninguém se surpreendeu com o voto do ministro Fachin. O ministro do STF votou confirmando a votação secreta para eleição da comissão especial, confirmando o rito do impeachment imposto por Eduardo Cunha e negando a Renan Calheiros um poder especial de decidir, somente o Senado, se a abertura do processo levaria a presidente Dilma a deixar o poder por um período de 180 dias, como manda a Constituição. Nada que o Governo imaginava foi confirmado no voto de Edson Fachin. Segundo Nêumanne, Fachin sentiu o pulso da população e decidiu pelo óbvio.

*Ouça o áudio completo