A angústia de um povo de alma machucada

  • Por Jovem Pan
  • 03/08/2017 12h58
EFE/CRISTIAN HERNÁNDEZManifestante ferido é atendido por equipes de emergência durante protesto de opositores a Maduro em Caracas

A empresa responsável pelo sistema eleitoral da Venezuela diz “não ter dúvidas” de que a votação da Assembleia Constituinte foi manipulada. A contagem já vinha questionada, desde o final de semana.

O governo afirmou, no domingo, que 8 milhões de pessoas foram às urnas, o que corresponderia a 41% do colégio eleitoral. A oposição contestou os dados, dizendo que apenas dois milhões e meio de venezuelanos compareceram.

A confirmação da fraude veio nesta quarta-feira, depois que a Smartmatic, a empresa responsável pelo pleito, informou ter identificado divergências.

A diferença seria de pelo menos um milhão de eleitores. O Datafolha apontava que apenas 25% dos venezuelanos votariam no domingo. 72% rejeitavam a troca da Constituição e 80% reprovam o presidente

Outro número suspeito: mesmo com o boicote opositor, a participação superou em 2,5 milhões a votação do chavismo na eleição parlamentar de 2015.

Mais cedo, a oposição venezuelana decidiu adiar as passeatas e protestos marcadas para esta quinta-feira, para contestar o resultado eleitoral e manifestar repúdio à prisão dos líderes opositores Leopoldo Lopez e Antonio Ledesma.

Nas guerras, a primeira vítima é a verdade. A única diferença é que nas ditaduras a verdade não vai morrer de solidão. Ela vai sucumbir ao lado do medo, do temor, da liberdade destruída e da angústia de um povo de alma machucada.