As grandes manifestações da história às vezes começam com um ato de uma mulher

  • Por Jovem Pan
  • 05/01/2018 10h57

EFE

Quando as forças policiais se preparavam para reprimir uma marcha de jovens, uma jovem de jeans e turbante rosa gritou “morte a Khamenei”

Em toda a história dos protestos do Irã, um ato foi destacado nos jornais, mas sem a profundidade de análise que mereceria. Todos sabem que regime iraniano é duro, mas a crise econômica levou uma pequena cidade a iniciar um protesto que se estendeu por todo o país. Mas um fato foi importante: quando as forças policiais se preparavam para reprimir uma marcha de jovens, uma jovem de jeans e turbante rosa gritou “morte a Khamenei”. Isso é inusitado, porque lá a pena é severa para quem se antepõe ao regime. O que destaco é que todas as grandes manifestações da história às vezes começam com um ato de uma mulher.

Confira o comentário completo de Joseval Peixoto: