0:00
0:00

O esdrúxulo cenário político na Venezuela

  • Por Jovem Pan
  • 31/03/2017 12h20
EFE/CRISTIAN HERNÁNDEZEFE/CRISTIAN HERNÁNDEZPresidente da Assembleia Nacional Venezuelana
CAR01. CARACAS (VENEZUELA), 30/03/2017.- El presidente de la Asamblea Nacional de Venezuela (AN), el opositor Julio Borges (c), habla durante una rueda de prensa, desde el Palacio Legislativo hoy, jueves 30 de marzo de 2017, en Caracas (Venezuela). La Asamblea Nacional de Venezuela (AN, Parlamento), controlada por la oposición, acusó hoy al presidente Nicolás Maduro de haber dado un "golpe de Estado", luego de que el Tribunal Supremo decidiera asumir las competencias del Legislativo por mantenerse en "desacato" desde el año pasado. EFE/CRISTIAN HERNÁNDEZ

Na Venezuela, um fato inédito: o poder Judiciário assume o poder Legislativo. Antigamente era o Exército que fazia isso.

A situação é esdrúxula em um país onde o povo sofre de mais.

O secretário da OEA (Organização dos Estados Americanos) convocou reunião urgente para aplicar a Carta Democrática Interamericana e talvez excluir a Venezuela.

Vários países demonstraram preocupação, inclusive o Brasil.

Mais de 50 sentenças tiraram a conta-gotas o poder do Parlamento, até que o tribunal supremo da Venezuela extinguiu o poder do Congresso e assumiu suas funções.

Isso vem do ano passado, quando a Justiça venezuelano considerou que o legislativo, de oposição a Maduro, desrespeitou a Constituição ao juramentar três deputados do estado do Amazonas que haviam sido afastados por ordem judicial.

Esses três legisladores eram importantes porque, com eles, a oposição tem a maioria qualificada (112 de 167 cadeiras), mais de dois terços, o que permitiria ao Parlamento aprovar emendas à Constituição, mudar leis orgânicas, remover a cúpula do tribunal superior e, inclusive, convocar o plebiscito convocatório, que poderia tirar Nicolás Maduro do poder.

Esse supremo tribunal venezuelano é um capacho do poder Executivo. Na verdade é um poder só. Claramente há ali um golpe de Estado.

Estamos em pleno século XXI e a imbecilidade, a estupidez, a ignorância e a ânsia de poder dos líderes continua assustando a sociedade universal.