0:00
0:00

Precisamos resgatar a dignidade da mulher

  • Por Jovem Pan
  • 05/04/2017 12h18
Piotr Lewandowski/FreeimagesPiotr Lewandowski/FreeimagesMulher com flores - rosa - freeimages

O ator José Mayer assumiu o “erro”, mas o bonito dessa história foi a união das atrizes da Globo em grande protesto #mexeucomumamexeucomtodas.

Parece que está nascendo uma verdadeira consciente da mulher de que ela é um ser e deve ser respeitada. Mulher não é objeto. Mulher é mãe, é filha, é irmã, é prima, é tia, sogra, avó…

É a que prepara a ceia de Natal, o filho para a escola.

Mulher é também a companheira de trabalho, em igualdade de condições com seu companheiro.

Não é apenas o assédio sexual, mas há as agressões que os maridos fazem contra as mulheres.

Talvez esteja faltando no mundo moderno a reconstrução do velho conceito de outro tipo de mulher: a namorada, que constrói a grande fantasia de nossa juventude.

Isso era tão forte que, no começo do ano passado, o jornalista paraense Hermeto Lima escreveu um lindo soneto:

Essa que passa por aí, senhores,

de olhos castanhos e fidalgo porte,

é a princesa ideal dos meus amores,

a mais franzina pérola do Norte.

 

Contam que, numa noite de esplendores,

a essa que esmaga o coração mais forte

hinos cantaram e jogaram flores

as estrelas, em mágico transporte.

 

 Acreditais, talvez, ser fantasia!…

 Eu vos direi que não… Em certo dia,

 quando ela entrou na festival capela,

 

eu vi a Virgem mergulhada em pranto,

e o Cristo de Marfim fitá-la tanto,

como se fosse apaixonado dela!