A votação a toque de caixa da lei que regulamenta o abuso de autoridade é, por si só, o maior abuso de autoridade da história do Brasil.

A lei dormia em berço esplêndido em uma gaveta esquecida no Senado Federal, mas foi subitamente ressuscitada. Coisa muito suspeita.

Aliás, qualquer projeto que tem Roberto Requião como relator já é suspeito a princípio.

A lei de abuso de autoridade foi ressuscitada por um bando de senadores acossados pela Operação Lava Jato e que queriam utilizar essa mesma lei para intimidar o Judiciário.

Todos sabem que o Senado contribuiu com uma cota expressiva de funcionários para a lista do ministro Fachin.

E muitos deles sabem que não têm a menor possibilidade de reeleição em 2018.

Sem mandato, vão cair no tribunal do juiz Sergio Moro.

Aí está a armação federal.

Povo brasileiro, às ruas. Vamos bater panelas. Essa lei do abuso de autoridade não pode passar. Não agora.