0:00
0:00

Meritocracia levou estudante à aprovação na USP, e não cor da pele

  • Por Jovem Pan
  • 07/02/2017 10h49
ReproduçãoReproduçãoBruna Sena - rep

A menina Bruna Sena de 17 anos tirou o primeiro lugar entre 6,8 mil candidatos que disputavam as 90 vaga para o curso de Medicina da USP de Ribeirão Preto.

Ela, que vem de uma família pobre, estudou a vida inteira em escolas públicas. No ano em que prestou o vestibular, Bruna frequentava pela manhã a escola estadual Alberto Santos Dumont, de tarde estudava sozinha em casa e à noite assistia às aulas do curso popular que é iniciativa de estudantes da USP, que de forma voluntária ajudam com seus conhecimentos estudantes de baixa renda.

Bruna tirou o primeiro lugar em sua primeira tentativa. Não por ser branca, negra, pobre, rica, hétero, gay ou transgênero. Ela tirou o primeiro lugar por ter se esforçado mais que os outros. “é neste Brasil que eu quero viver”, diz Marcelo Madureira.

Confira o comentário completo: