0:00
0:00

Justificativas sobre fraudes na carne são uma piada

  • Por Jovem Pan
  • 18/03/2017 11h36
BRA14. BRASILIA (BRASIL), 17/03/2017.-Una mujer camina hoy, viernes 17 de marzo de 2017, frente a un local de venta de carne en Brasilia (Brasil). Brasil, uno de los grandes productores de alimentos del mundo, fue sacudido hoy por una operación policial que desbarató una mafia que adulteraba carnes y tenía vínculos con al menos dos partidos de la base del Gobierno de Michel Temer. La banda fue desarticulada en una vasta operación realizada en siete estados del país, en la que fueron detenidos fiscales de la vigilancia sanitaria y directivos de varias empresas cárnicas que son investigadas y entre las que figuran BRF y JBS, dos de las más importantes del sector en el país. EFE/Joédson AlvesEFE/Joédson AlvesVenda de carne no Brasil

Marco Antonio Villa comentou a repercussão do escândalo das carnes adulteradas comercializadas por grandes frigoríficos brasileiros. “As justificativas são uma piada”, diz o historiador. “Vão dizer que a Polícia Federal vai criar um problema para o País”.

Ele espera uma “desconfiança muito grande” e cobra as empresas para vir a público.

“O que chama à atenção é que esse serviço de inspeção não era serviço de inspeção, mas serviço de corrupção”, analisa. “É um esquema de arrepiar os cabelos”. “Certamente os próximos capítulos são mais tenebrosos que os primeiros”, projeta Villa, afirmando que “a corrupção é um sistema”.

“Ela (corrupção) não é uma ação individual do sujeito “a” ou do sujeito “b”, é muito mais do que isso”, pondera. “Que essas apurações, todas elas, sejam levadas até o fim e punidos os culpados”.

Villa também comentou sobre o novo projeto de repatriação de dinheiro não declarado no exterior. “Essa repatriação é escandalosa. Boa parte é de dinheiro sujo”, opina.

“Essa estrutura faz com que se preserve porque a estrutura é muito morosa para esse tipo de caso”, entende. “Somos o único país do mundo em que a Justiça tem quatro instâncias, então os processos se eternizam e, quando há punição, elas são muito brandas”, disse. “O Bruno é a representação da justiça brasileira e o caso da carne mostra isso”, compara.

Ouça o comentário completo de Marco Antonio Villa AQUI.