0:00
0:00

Em caso de acordo de delação, Palocci deverá apresentar provas do que foi dito

  • Por Jovem Pan
  • 07/09/2017 08h32
EFE/HEDESON SILVA"Palocci ainda não fechou [acordo] e o Ministério Público Federal deixou em aberto”, conta Vera

Após meses de ensaio, o ex-ministro Antonio Palocci falou ao juiz federal Sérgio Moro e deu um depoimento capaz de abalar as estruturas do PT. Para Vera Magalhães, o depoimento dele está para o PT assim como as ameaças da Coreia do Norte estão para o mundo.

“No depoimento a Moro, chamou a atenção o advogado de Lula, que antes mesmo de Palocci abrir a boca, ele dá um pulo e questiona se o depoimento é já com um acordo de delação premiada fechado. Palocci ainda não fechou [acordo] e o Ministério Público Federal deixou em aberto”, conta Vera.

Ao juiz Sérgio Moro, Palocci diz que chegou a alertar Lula quanto a aquisição o terreno para o Instituto que leva o nome do ex-presidente e que estava virando um “ilícito monstruoso”.

Vale lembrar que, em caso de acordo para colaboração premiada, Palocci precisa de provas do que está dizendo. A busca por provas será ainda mais detalhista e exigente, principalmente após às discussões sobre o acordo feito com executivos da JBS. “Palocci é a pessoa que tem condições de fornecer link entre empresas e Lula de maneira mais objetiva. Ele vai saber dizer as circunstâncias, as formas em que os pagamentos foram feitos. Ele já corroborou que palestras, terrenos, aluguel de cobertura em São Bernardo e sítio em Atibaia faziam parte do pacote de ilícitos monstruosos”, explica Vera Magalhães.

O depoimento de Palocci é bombástico e, também, o mais temido por Lula e políticos petistas.

Confira o comentário completo de Vera Magalhães: